quarta-feira, 7 de outubro de 2015

O livro que vale um filme

Quando o amor transpõe o oceano, Winifred Ethel Netto



O que deve conter um filme: uma boa história, uma aventura, um romance, ser envolvente e bem feito. O Brasil está cheio de histórias reais e imaginárias que dariam excelentes filmes, o que falta é o eterno problema de dinheiro, bons roteiros com boas histórias que empolguem o público, pois dinheiro tem que fazer dinheiro. Tenho esperança que nossos produtores, roteiristas e cineastas ainda acharão as boas histórias. Já publiquei uma aqui, que conta um pedaço de nossa história.  Hoje, no desafio da Borboleta nos Olhos, publico outra. Nem todo livro vale um filme, mas este vale.
Quando o amor transpõe o oceano, tem aventura, uma história de amor que durou mais de 60 anos e conta a história da fundação e o progresso de uma cidade – Maringá no Paraná. Qual a possibilidade de um taxidermista brasileiro casar com uma inglesa nascida e criada na ilha de Santa Helena, é esta mesma que você está pensando a do exílio Napoleão e perdida no meio do Oceano Atlântico? Pois bem Winifred conheceu Odwaldo, na ilha em 1924, se apaixonaram e se casaram em menos de um mês, se separaram uma semana depois, ele seguiu viagem e ela ficou grávida. Fim da história? Que nada! Aqui é que começa a aventura. Eles se reencontram nos EUA quase três anos depois e partem para o mundo, voltam para o Brasil, vão para Santa Helena, passam pela Argentina e África do Sul, voltam para o Brasil, não param e em 1947 ouvem falar das cidades novas que estão sendo fundadas no oeste, gostam da ideia e partem, já com sete filhos e terão nove, em direção ao norte do Paraná, chegam a Maringá com menos de 2 mil almas, ruas de terra e nada mais! Sim, nenhuma casa na cidade, só alguns esqueletos em vários níveis de construção. Essa viagem é uma aventura, levou 7 dias em um caminhão com uma lona de cobertura (verdadeiro pau-de-arara), levando a mudança da família e (pasmem!) um projetor e demais equipamentos para montar um cinema! Em Maringá montaram o cinema, um armazém, tiveram uma fazenda e uma pequena companhia de táxi aéreo, ajudaram a fundar hospitais, cooperativas e clubes sociais. Criaram os filhos e sempre tiveram a ousadia e a coragem de se lançarem em novas aventuras e empreendimentos. Ao se “aposentarem” em 1973 pegaram uma Belina e foram passear pelo país, acampando e tomando o chá das 5 hs! É o painel de um Brasil que crescia. Odwaldo viveu 89 anos e Winifred viveu 100 anos. Winifred contou essa história a sua filha Délia que ajudou na confecção do livro juntamente com outros membros da família. Não vale um filme?

“Fé, amor e coragem conduziram a longa vida dessa mulher”. Fabio Lopes Bueno Netto (neto de Winifred e seu editor)


SOBRE A AUTORA


Winifred Ethel Netto (1906 – 2007) – aventureira, empreendedora, mãe e pioneira inglesa, casada e apaixonada por um brasileiro que não acreditava em ficar parado esperando acontecer. Quando o amor transpõe o Oceano, foi publicado pela editora 24x7 Cultural.


Winifred - 2002 (Arquivo de família)





2 comentários:

Daniel Brazil disse...

Grande dica! Bom te ver de volta à ativa, nesse blog delicioso. Beijo!

Pandora disse...

Uau! Isso não é uma história, é uma epopeia, valia um filme, série e/ou novela.