sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Eterno na poesia










Deixa acontecer 
Vinicius de Moraes

Ah, não tente explicar
Nem se desculpar
Nem tente esconder
Se vem do coração
Não tem jeito, não
Deixa acontecer

O amor é essa força incontida
Desarruma a cama e a vida
Nos fere, maltrata e seduz
É feito uma estrela cadente
Que risca o caminho da gente
Nos enche de força e de luz

Vai debochar da dor
Sem nenhum pudor
Nem medo qualquer
Ah, sendo por amor
Seja como for
E o que Deus quiser


Vinicius de Moraes esteve presente em toda a minha juventude, através da música, da poesia, das crônicas  e de seu bem viver.  Neste 19 de outubro ele faria 100 anos e faz falta! Me faz falta! Ainda ouço seus poemas musicados por inúmeros parceiros, gente de respeito como Tom Jobim, Toquinho, Baden Powell, João Gilberto, Chico Buarque e Carlos Lyra. Sua peça Orfeu de Carnaval de 1956, se tornou filme pelas mãos do diretor francês Marcel Camus e recebeu o nome de Orfeu Negro, Vinicius ainda compôs duas músicas para o filme, que ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes e o Oscar de melhor filme estrangeiro. Uma curiosidade era o filme predileto da mãe de Barak Obama e ele o viu algumas vezes com ela, quando esteve no Rio ele quis ir ao morro Chapéu da Mangueira, para conhecer a locação do filme.
Chega de Saudade, um poema de Vinicius musicado por Tom Jobim, foi gravado em 1958 por Elizeth Cardoso  acompanhada pelo   jovem violonista João Gilberto, se tornando  assim o primeiro registro fonográfico da Bossa Nova. A Bossa Nova talvez seja o mais conhecido dos nossos movimentos musicais, influenciando músicos em todo o mundo. Como passei boa parte da vida ouvindo Bossa Nova e continuo ouvindo mal consigo entender os novos movimentos. Hoje leia uma poesia dele ou ouça um dos seus inúmeros poemas musicados, ele merece!

Chega de Saudade

Vai, minha tristeza, e diz a ela
Que sem ela não pode ser
Diz-lhe, numa prece, que ela regresse
Porque eu não posso mais sofrer

Chega de saudade, a realidade é que sem ela
Não há paz, não há beleza
É só tristeza e a melancolia
Que não sai de mim, não sai de mim, não sai

Mas, se ela voltar, se ela voltar
Que coisa linda, que coisa louca
Pois há menos peixinhos a nadar no mar
Do que os beijinhos que eu darei na sua boca

Dentro dos meus braços
Os abraços hão de ser milhões de abraços
Apertado assim, colado assim, calado assim
Abraços e beijinhos e carinhos sem ter fim

Que é pra acabar com esse negócio de viver longe de mim
Não quero mais esse negócio de você viver assim
Vamos deixar desse negócio de você viver sem mim

SOBRE O AUTOR

Vinícius de Moraes -  (19 de outubro de 1913 - 9 de julho de 1980) diplomata, dramaturgo, jornalista, poeta e compositor brasileiro.




16 comentários:

Rogério Pereira disse...

Aprendi cedo a lição
Deixo acontecer
Se me vem do coração

Saravá Vinicius, meu irmão!

(os nossos mortos não morrem)

Sheyla - DMulheres disse...

Oi, Jussara

Adoro Vinicius de morais e amo o soneto de fidelidade.

Bjossss e um bom final de semana.

Bia Jubiart disse...

Ju, simplesmente o amo! Ele vive através dos sentimentos Transformados em palavras...

Tenha um fim de semana regado de Bossa Nova!

Bjãoooo

Beth/Lilás disse...

Oi, Jussara!
Ahhh Poeta, poetinha camarada ...
Vamos nos lembrar com carinho neste centenário deste grande e amado escritor, poeta, gente boa, camarada e ... carioquíssimo. Ele estará sempre vivo um pouco, dentro de cada um de nós.
Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça ...
E por falar em saudade ...

beijinhos cariocas e um ótimo fim de semana com muita bossa nova e Vinícius amado.

Adelaide Araçai disse...

Também sou apaixonada por ele. Que em meu entender era uma pessoa intensa. Vivia a vida em sua plenitude, por isso criava coisas tão belas.

Muita Luz e Paz
Abraços

Lúcia Soares disse...

Um poeta e tanto, com ótima musicalidade, tb. Estava lendo longa reportagem com ele, agora cedo, no jornal. Segundo Toquinho, um grande parceiro, Vinicius descobria acordes que ele tinha deixado passar e era assim que compunham, muitas vezes.
Gosto muito do compositor e ainda mais do poeta. De uma geração rica de autores, sua obra é tão importante quanto a de Drummond, João Cabral de Melo Neto, Jorge de Lima, Murilo Mendes e outros, segundo o que li.
Uma característica dele que não me traz simpatia é ele ter sido mulherengo, com 9 casamentos, mas fazer o quê, né? Deixa ele. Viveu intensamente. rs
Beijo e boas leituras, Jussara.

Fernanda Reali disse...

Ótimo post! Linda homenagem! Vou levar teu link e inserir no fim do meu, ok? http://www.fernandareali.com/2013/10/esmalte-e-poesia.html Dia de esmalte e POESIA!

Um beijoooo

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

maravilhoso, Jussara! homenagem mais que merecida! sou mto fã dele, mto!!!
bom fds!

Regina Rozenbaum disse...

É unânime essa bem querência pelo poetinha. Aliás, se for seguir a frase de Nelson Rodrigues...sou burra rsrs. Bela homenagem Ju!
Beijuuss

Luma Rosa disse...

Muito bacana o post, Jussara!
O Poetinha merece todas as homenagens e como disse Sérgio Porto: "Vinicius era plural. Senão se chamaria Viniciu de Moral."
Beijus,

Carlos Medeiros disse...

Como disse Vinícius, amor não dá pra explicar, é próprio de sentir, de viver. Abraços.

Celia na Italia disse...

Um cara especial!
Duda, minha filha, nasceu tb no dia 19/10, uma bela coincidência.
Linda homenagem!

Celia na Italia disse...

Um cara especial!
Duda, minha filha, nasceu tb no dia 19/10, uma bela coincidência.
Linda homenagem!

Chris Ferreira disse...

Oi Jussara, muito legal a sua homenagem a Vinícius de Moraes. Ele também esteve presente na minha juventude e a moda era ter poemas deles escritos naqueles caderninhos de mensagens.
Também ouvi muito a sua música.
beijos
Chris
Inventando com a Mamãe

She disse...

Esse é eterno!
Bjbj
She

Misturação - Ana Karla disse...

Desde miúda que ouço o Vinícius, via Papis.
Poesia grandiosa.
Vou conhecendo mais.
Xeros