domingo, 15 de setembro de 2013

Cozinhando memórias



Cozinha dos Imigrantes, Marina Heck e Rosa Beluzzo



Eu não cozinho, vocês sabem, mas tenho o mais delicioso livro de receitas que eu conheço. De uma cozinha sai cheiros diversos, pratos deliciosos e com eles vêm mil memórias. Cozinha dos Imigrantes é esse tipo de livro de receitas, traz as memórias e as receitas. Imigrantes de várias partes do mundo que se encontrou em São Paulo, onde refizeram a vida, constituíram família e preservaram suas raízes.
Cozinha dos Imigrantes passeia pelos cheiros e sabores da Itália, Japão, Síria, Hungria, Armênia, Bessárabia e outras terras, pelo bem da verdade nunca testei nenhuma das receitas, mas degustei cada um dos depoimentos, sobre a luta de chegar a uma terra estranha e começar tudo de novo, são emocionantes. Tenho o maior respeito e admiração pelos imigrantes, acho de uma coragem infinita abandonar seu berço e partir para o desconhecido Os imigrantes que se lançaram ao mar, todas as viagens eram feitas de navio, com sua pouca bagagem física, mas uma enorme bagagem cultural, para ajudar a construir um estado e um país, que aqui se misturaram e deixaram sua marca, merecem todas as honras, respeito e admiração. Gosto tanto desse tema que tenho vários livros sobre ele e muitos são sagas de famílias, cada um mais belo que o outro.
Voltemos aos pratos do dia, não testei as receitas, mas morei em São Paulo por muitos anos, então já comi a maioria deles, desde o Spaghetti alla putanesca a uma deliciosa Moussaka, passando pelo Tekka-maki e Mughrabíve, não entendeu nada? Corre atrás desse delicioso livro, ou vá a São Paulo e seus 1001 sabores espalhados pelos restaurantes. Tenho certeza que você vai descobrir que já comeu tudo isso, que conhece esses sabores e provavelmente nem sabia como veio parar na nossa cozinha.
Como é um livro para se degustar, aí vão alguns canapés:

“Após 50 anos de Brasil, voltei ao Japão, me perguntaram: O que vocês comem por lá? Respondi: O mesmo que vocês, arroz, salada e sopas. Mas a gente varia muito, também fazemos maionese, quibe e macarronada” Mitsuko

“Em casa, a comida era basicamente japonesa. Mas minha mãe cozinhava muito arroz, feijão e carne, para o pessoal que trabalhava na fábrica de meu pai, assim foi incorporando esses pratos em nossa mesa.” Taeko, filha do fundador da Sakura

“Em casa não temos uma culinária exclusivamente árabe, brasileira ou italiana, se gostamos fazemos sem dar importância a origem, mas sempre com muito alho e cebola, como pede a cozinha libanesa.” Isabel

“A muda de azedinha que minha avó trouxe de Damasco dura até hoje e continua fornecendo tempero para o tabule e as esfihas." Diva

“Na Grécia, a fassoulada equivale ao popular feijão com arroz brasileiro. É uma sopa muito gostosa, não tive dificuldades para encontrar os ingredientes, o difícil foi aprender o nome de cada produto.” Maria

“Até hoje tenho as receitas de duas tortas austríacas que minhas tias sempre faziam, com nozes e ricota.” Pegy

“Outra receita polonesa que minha mãe preparava era o borscht, o famoso refresco de beterraba que leva ovos batidos.” Lenina

“Há uma linguiça, a trandfir, que em romeno tem o mesmo nome que a rosa, por que cortada e levada à grelha se abre como uma flor." Edith

"No começo sentíamos saudade do foul mudammas que é o prato nacional egípcio com favas verdes, come-se no café da manhã com ovos hamine.” Victor

É ou não é uma delícia? Entrei em contato com a editora, mas não houve nenhuma reedição desse livro, então para quem se interessar é preciso procurar em sebos físicos ou virtuais.

“Indigestão é uma criação de Deus para impor certa moralidade ao estômago.” Vitor Hugo

SOBRE AS AUTORAS

Marina Heck – Professora e pesquisadora da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas.
Rosa Belluzo – Pesquisadora da história da alimentação, em 2011  ganhou o prêmio Jabuti, na categoria culinária  com o livro Machado de Assis: relíquias culinárias. Cozinha dos Imigrantes foi publicado  pela  Editora DBA em 1998.

17 comentários:

Gisa disse...

Uma boa dica. Adoro cozinhar!
Um bj

She disse...

Mas que riqueza de post! Amei! :)
Beijo, beijo!
She

Neanderthal disse...

Oi Juju. Fiquei curiosa hein!
Eu gosto de cozinhar, embora não tenha mais tempo!
Vou comprar e depois te contarei como me saí!
Beijos

Regina Rozenbaum disse...

kkkkkk adorei a frase de Vitor. Salivei daqui Ju com esses aperitivos todos. Também como vc, não cozinho nada, mas sou uma degustadora de 1ª! Afinal, não é fácil manter meu pecado maior e minha consequente exuberância de ser!rss
Beijuuss amaaada

Beth/Lilás disse...

Simplesmente encantador este livro, quero um agora mesmo.
Eu amo história e respeito muito a saga dos imigrantes, tanto os daqui quanto de qualquer outra parte deste planeta. Meus avós foram imigrantes, chegaram no início do século e a vida pra eles foi como nas novelas, cheias de dificuldades e belezas.
Ultimamente tenho gostado de cozinhar, mas não é o meu fraco, porém se tenho 'platéia' fico muito entusiasmada.
um grande beijo carioca


Rosa de Paiva Lopes disse...

E sinceramente não acho que seja tão simples escolher uma boa receita que simbolize um país, uma história. Tem uma biografia de Frida e Rivera contada através dos pratos q eles serviam em suas recepções, super rico.
Agora, vi o treiler do filme, o máximo!!!!
BJ

Pandora disse...

Culinária em si já é uma coisa boa vindo com histórias, lembranças e diferentes identidades... ai é para alimentar o corpo e a alma. A degustação me deixou com fome de boas histórias Jussara!!!

Luma Rosa disse...

Oi, Jussara!
Também gosto de ler receitas e saber sobre elas. Fui procurar pelo livro e percebi que ele é muito bem quisto por quem o possui e pelo jeito, esse livro permanecerá enchendo seus olhos e coração!
Mandei um e-mail para a Melhoramentos para saber de nova publicação.
Acho que quem tem o livro, guarda e talvez seja difícil de encontrar em sebos físicos.
Na Estante Virtual só tem o livro "Os Imigrantes Alemães e a Sua Cozinha" de Telmo Leuroo Muller.
Mas já está anotadinho o título!!
Boa semana!!
Beijus,

Carlos Medeiros disse...

Cozinho apenas o básico, o necessário. Abraços.

Cissa Branco disse...

Ju,

De fato delicioso, a cozinha, pelo menos na minha casa é o ponto central, tudo se resolve ali. Que bom passar por aqui, adorei a citação de Vitor Hugo.

Beijos

Deusa disse...

Sabe que este e um livro que gostaria de ler.Outro dia vi um documentario sobre a **Pequena loja de discos**se não me engano na Inglaterra,fiquei fascinada.Eu gostaria muito de ir a Cebos de discos e livros,tenho certeza que por aqui tem,vou até por curiosidade procurar.
Imagine,suco de beterraba com Ovos....Maitê ia correr...kkkkk,mas eu adoro experimentar.
Em nossas viagens experimentamos sempre pratos diferentes,quase não falo no meu blog porque não gosto mesmo,mas viajo muito pra fora e sempre vamos a pequenos e escondidos Restaurantes,aqueles em que a comida e caseira,ao estilo do pais mesmo,antiga...E uma delicia.
Bjs
Deusa
vasinhos coloridos

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

eu amo comida, adoro culturas do mundo todo, amo histórias de vida.
pronto, já fui fisgado por este livro, que TENHO que ler rs.

adorei a dica, Jussara. só pelos canapezinhos servidos, já vi que é coisa de ouro.
um bjo! boa semana!

Celia na Italia disse...

Ju
Passei só para deixar um beijo.
A vida anda agitada e o tempo curto.
Um super domingo e uma ótima semana!

Jussara Neves Rezende disse...

Cheguei aqui por um desses acasos da internet e descobri que temos em comum mais que o nosso belo nome. O amor pela leitura e pelos livros, as crônicas da vida...
Virei sua seguidora, viu?
Abraço e uma ótima semana pra vc!
Jussara - minasdemim.blogspot.com

Inaie disse...

que delicia.
Vale imigrar sem saber cozinhar?

Daniel Brazil disse...

Faz tempo que não passava por aqui. Como estava perdendo posts deliciosos como este? Beijo,

Roberta Lito disse...

Que delícia de livro, também tenho muita curiosidade pelos imigrantes e pelos tropeiros, povos que nos acrescentaram muita de sua cultura e gastronomia, ampliando essa diversidade maravilhosa que tem por todo Brasil.
Um dia eu gostaria de me aprofundar mais neste assunto, por enquanto, leio um pouco aqui, ouço relatos ali...e assim vou agregando valores interessantes.
Beijo