sábado, 6 de abril de 2013

Porque ler Clarisse


A hora da estrela, Clarice Lispector



Nunca fui uma leitora ardorosa de Clarice Lispector, mas sempre a respeitei por ter uma escrita e uma forma diferente de encarar e refletir sobre o trabalho de fazer literatura. Quando comecei a frequentar a blogosfera e a internet mais assiduamente, comecei  a ter uma implicância com a Clarice, tanto que levei mais de dois anos para postar o único livro dela que realmente gostei. A minha implicância não era exatamente com a Clarice, mas com a quantidade de “citações” de Clarice, tiradas do contexto de sua escrita e algumas claramente inventadas, em geral, por pessoas que não leram a autora e estavam esquartejando seus textos. A minha intolerância me levou ao ponto de que ao abrir um blog e ver uma citação dela o fechava imediatamente e não voltava! Depois percebi que faziam isso mais ou menos com qualquer autor “difícil” ao qual ninguém vai checar se escreveu mesmo aquilo. Me tornei mais tolerante com as citações, mas devo dizer que raramente me enganei com quem cita a autora, agora  além de estar nos blogs anda pelo Face, pobre Clarice!
Não tenho nada contra citações, eu mesma as uso, na maioria das vezes tiradas do próprio livro ou do autor de livro. Citações são importantes pois muitas vezes fecham a ideia que se quer passar ou dão pistas pelo que estar por vir. A própria Clarice usou desse recurso em Perto do coração selvagem, citando Joyce. O que me causa espécie é as citações soltas, escritas como verdades e fora de qualquer contexto, as  que já vi de Machado de Assis, um autor que conheço bem, são de chorar de rir, tenho certeza que o Bruxo do Cosme Velho está rindo no paraíso. Ou chorando, nunca se sabe. Leiam a obra, tenham certeza que é exatamente o que o autor quis dizer e as usem com parcimônia.
A hora da estrela foi o último romance publicado em vida por Clarice Lispector, talvez seja o mais fácil de ser lido, não que ela tenha abandonado seu estilo. Ela continua com seu estilo reflexivo, fragmentário e elíptico, mesmo tendo escrito por anos em jornais e revista nunca facilitou a leitura de seus textos pessoais. Em A hora da estrela temos duas vertentes: a história da retirante alagoana Macabéa, ingenua, ignorante e pobre na cidade grande com seus códigos de conduta e barreiras e a história de Rodrigo S.M., o escritor que narra as aventuras e desventuras de Macabéa, que de quebra ainda reflete sobre o  ato de escrever e a importância de um autor para a sociedade. Rodrigo é quase o alter-ego de Clarice e ao longo do livro faz diversas  reflexões sobre o ato de escrever,  reflete  sobre os enigmas da existência de cada um e ao mergulhar na alma de sua personagem procura entender sua própria natureza. A autora se utiliza de diversos recursos meta linguístico e as narrativas se interligam sendo impossível separá-las.  Vale a pena ler e reler para quem conhece ou quer conhecer Clarisse Lispector.

 “Porque escrevo? Antes de tudo porque captei o espírito da língua e assim às vezes a forma é que faz o conteúdo.”  Rodrigo S.M.

SOBRE O AUTOR

Clarice Lispector (1920 — 1977) - escritora e jornalista, nascida na Ucrânia e naturalizada brasileira, se declarava pernambucana estado em que passou parte da vida.  Publicou A hora da estrela em 1977 e atualmente é publicada pela Editora Rocco.

*Existe um filme sobre o livro, dirigido pela diretora Suzana Amaral em 1986, que foi premiado como melhor filme no Festival de Cinema de Berlim.

19 comentários:

Pandora disse...

Eu tenho uma amiga que detesta Clarice justamente por causa desse livro, ela diz que é preconceituoso. O detalhe é que ela é filha de nordestino que nasceu em São Paulo, entre nós, eu tenho a impressão que descendentes de nordestinos que vivem em São Paulo são mais ciosos do valor de suas origens nordestinas do que os próprios nordestinos que vivem no Nordeste mesmo.

O que li de Clarice foi Perto do Coração Selvagem e A mulher que matou os peixes, com o primeiro foi um encantamento puro, um mergulho para dentro, uma experiencia de leitura existencial... Com o segundo eu nem sei... Quem virou fã de Clarice e leu tudo ou quase foi minha amiga que também é minha grande companheira de leituras e derivativos e da convivência com ela aprendi que Clarice pode até valer a pena, mas pessoas que gostam demais dela são estranhas, tem algo de atormentado na alma.

chinanaminhavida.com disse...

OI, nunca havia lido Clarice antes, Só textos e citações...hehehe.
Mas quando saiu o "Clarice," comprei e li inteiro... na verdade as vezes pego o livro e releio algumas partes. Foi interessante, mas muito cansativo, intenso... as vezes deprimente. A história dela flutua entre o conto de fadas e as tragedias cotidianas. Passei a respeitá-la ainda mai, mas não me motivou a ler seus livros, mesmo assim... Bj

Carlos Medeiros disse...

Ainda não conheço nada dela, salvo algumas citações nos blogs que nem sei se são realmente dela. Boa semana.

David Ramos disse...

Ola Jussara!!
Olha lá qto tempo não venho por aqui!

Pois então.. Gosto muito de Clarice... aprendi a gostar por causa de Bethânia, não vou mentir pra vc!
E por muito tempo só tinha lido 2 livros... o primeiro romance dela e o último.. ou seja, Perto do Coração Selvagem e A Hora da Estrela.... sempre achei uma leitura difícil mas sempre gostei muito..
Na Hora da Estrela, quando Macabeia é atropelada e fica agonizando no chão, Clarice descreve por páginas a angustia da chegada da morte... sempre achei que isso era reflexo dela própria que ja bem doente se via morrendo da "sarjeta" de Macabeia!
Depois de muitos anos li A Paixão segundo G.H. e A mulher que Matou os Peixes.

E assim como vc detesto essas citações estranhas que dão a ela ou a Fernando Pessoa ( outra vitima de citações açucaradas)

Rosa de Paiva Lopes disse...

Oi Querida!!
Eu tenho uma amiga q cita tudo, "essa música é a minha cara", "essa frase foi feita pra mim"..., e ela acredita kkkkk. Tem concerto não!

Eu não sei de onde eu tirei isso exatamente, mas C L pra mim é a menina das galinhas, feliz.
Da praça em frente ao q foi a residência da família na infância de Clarice, saem vários blocos acho que no domingo de carnaval (e rapaz! falhou a memória agora).
Ela mais que ninguém era várias em uma só!
Bj

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

hahaha Jussara. é verdade, a gente pega birra de certos autores, músicas e pensadores justamente pelo uso desmensurado de citações, frases de "impacto" e outras coisas q a gente encontra dispersas pela net.

E pior que é tudo repetitivo, né. fora as frases atribuídas por engano, que não tem nada a ver com o autor que lhe atribuem a frase.

eu AMO a hora da estrela. é um dos meus preferidos. O filme tb é fantástico, virei fã da Marcelia Cartaxo por causa do filme.

bjos! adoro vc



Celia na Italia disse...

Vou ficar devendo uma opinião, pois de Clarice nada li.
Queria no entanto dizer que vc faz um excepcional trabalho, tb com a Clarice.
Um abraço e obrigado por estar sempre por perto.

Regina Rozenbaum disse...

Não me incomodo com as "citações" no mundo virtual. Se o que é publicado em nome de qq autor for realmente dele e estiver fazendo sentido para aquele que posta...Afetou o sujeito em algo? Provocou reflexão e mudança? Ótimo! Eu, por exemplo, por mais que tenha lido toda a obra de algum autor não me lembro mesmo de tudo e muitas vezes uma única frase faz todo o sentido pra mim naquele momento. Será que me fiz entender?rrs
Clarice? Penso-a de difícil leitura, há que se ter tempo e calma ou seguir suas próprias recomendações:
"Não ler o que escrevo como se fosse um leitor. A menos que esse leitor trabalhasse, ele também, nos solilóquios do escuro irracional...pois escrever é coisa sagrada, onde os infiéis não tem entrada.Estar fazendo de propósito um livro bem ruim para afastar os profanos que querem "gostar". Mas um pequeno grupo verá que esse "gostar" é superficial e entrarão adentro do que verdadeiramente escrevo, e que não é ruim nem é bom." (pág 558 Clarice,Benjamin Moser)
Beijuuss JU

She disse...

Minha nossa Jussara! É a mais pura verdade essa, eu mesma já devo ter compartilhado citações achando que eram de Clarice e não eram... :( Mas sei que a maioria do que divulgam não pertence de fato às autorias que estão aparecendo nessas citações... Quando eu conheço a verdadeira autoria não divulgo e nem compartilho... Muito bom o seu post, pra variar, compartilhei no meu Face!
Beijo, beijo
She

Clara Lúcia disse...

Eu tenho esse livro, comecei a ler e não terminei... vou reler.
O pouco que li dela não gostei taaaaanto assim... Às vezes me dá a impressão de uma mulher amargurada,que foi mais infeliz do que feliz... não sei.
Vou reler.
Ótimo texto.
Beijos

Deusa disse...

Oiiiiii

Poi voltei,senti saudades,descansei e já estou com mais tempo livre.Sabe que não me lembro de ter lido nada desta dela.Nunca me senti tentada a ler,uma falha minha.
Estava agora lendo a Segunda postagem sobre Chiquinha Gonzaga,realmente foi uma mulher muito a frente do seu tempo,se brincar ate do nosso.
Eu gosto de ter tempo para ler realmente,sabe que o que me atrasa muito nas visitas aos blogs e que eu leio o que esta escrito,eu leio e vou lendo e esqueço de correr para o outro.Eu acho impressionante como se pode aprender sobre alguém através de suas postagens.
Hoje,enquanto arrumava minhas coisinhas eu me lembrei de que nunca mostrei meus livros,vou tentar junta-los,tenho tantos,coleções...Vamos ver.
Me diga,que livro ainda não leu e pretende comprar?
Bjim
Deusa
vasinhos coloridos

Misturação - Ana Karla disse...

Nunca li um livro de Clarice, mas citações e textos soltos estou até cansada.
Percebo que a escritora é a predileta na blogosfera, pois já encheu o saco a repetição de suas citações.
Eu também devo ter repassado alguns de seus textos, sem nem saber ao certo a autoria.
Ju, você sempre faz a gente refletir.
Um xero!

Sandra Portugal disse...

Excelente matéria! Você sempre me incentivando à leitura de livros incríveis!
Por isso amanhã você estará no Projetando Pessoas, aguardarei sua visita!
bjs
www.projetandopessoas.com.br
http://projetandopessoas.blogspot.com.br//

ONG ALERTA disse...

Excelente postagem, muitas coisas se repetem...
Beijo Lisette.

Nadia V. disse...

Oi, Jussara.
Não li nenhum livro de Clarice. Conheço apenas algumas citações que achei em sites confiáveis então sei que são dela mesmo. Apesar de gostar das citações, não sei se os livros dela me agradariam. Um dia eu arrisco.

Beijos.

Claudia Halley disse...

Nossa, to gostando muito do seu blog viu. to seguindo!

http://jardimlivros.blogspot.com.br/

Teresinha disse...

Olá Jussara, como vai?
Eu nunca li uma livro dela, mas já estou até familiarizada em ver tantas citações por aqui e ali nessa net afora.
Beijos mil

Beth Blue disse...

Coitada da Clarice mesmo...eu fico muito triste com essas citações todas pela net (no Facebook então é uma praga).

Diferente de você, fui leitora ardorosa da Clarice desde meus 16 anos, quando achei Água Viva na prateleira de livros da minha mãe. Até os 25 anos (e antes de me formar em Letras) eu já tinha lido praticamente todos os romances dela. E algumas coletâneas de contos (Felicidade Clandestina continua sendo minha favorita).

Pra ser sincera, Clarice continua sendo a minha escritora brasileira favorita...muito antes dessa praga de citações na net.

Agora se eu disser que o meu escritor brasileiro favorito (fora Machado de Assis, que é mesmo um clássico) é Caio Fernando Abreu, você acredita?!! Outro pobre coitado que vive sendo citado na boca do povo.

Beth Blue disse...

Sim, A Hora da Estrela é considerado por muitos um dos romances mais acessíveis da escritora. Clarice é considerada por muitos uma autora difícil (e com razão). Pra mim foi paixão à primeira vista...e olha que eu comecei com um dos romances mais difíceis: Água Viva!

Pra quem NUNCA leu nada da escritora, não recomendo começar por A Paixão Segundo G.H. Geralmente recomendo A Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres, que também é um dos meus favoritos e de uma beleza singela e absurda...

beijos