quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Paul McCartney e Mick Jagger

Eu amava os Beatles e os Rolling Stones
Aos 16 anos.

 Um dia você acorda se olha no espelho e meio sonada diz: Oi, mãe! Mãe???!! Sim, mãe. Você tem 55 anos e esta a cara da sua mãe! Não sou ela, temos histórias de vidas completamente diferentes, eu me formei numa universidade (ela fez o normal), não casei mas tive filhos, trabalhei fora 35 anos (meu Deus, eu sou aposentada!) e, infelizmente para mim, ela já se foi.
Meia idade, o que é isso? Não sei responder só sei que nas estatísticas eu estou nela. Vejo fotos de minha avó com essa mesma idade, uma senhorinha de tailleur escuro e cabelos brancos, definitivamente estou muito longe desse figurino, vejo fotos de minha mãe e lá está ela sorridente mas já com ares senhoril e vestida conservadoramente (correndo olhar meu armário!). Mudou o mundo, mudei eu e estamos no século XXI.
Meninos eu vi! Eu vi nascer a minissaia e usei as mais curtas do hemisfério sul, tenho fotos para provar ( vocês não vão ver), vi o fim da Guerra do Vietnã, aquela que os americanos insistem em dizer que ganharam, hahaha... vi o começo e o fim da ditadura militar no Brasil, completamente velhice dizer que se lembra do dia do golpe! Vi o fim de um século e o começo de outro, vi e vivi as grandes transformações da sociedade, isso não é vantagem nenhuma para quem já viveu meio século (chocada de escrever isso).

Mary Quant, criadora da minissaia.

Tudo muito bem, tudo muito legal só tem um problema, eu não me sinto velha, velhinha, com meia idade, a caminho de ser idosa e não me vejo nem perto de uma bengala. Na minha cabeça ainda tenho 20 anos, mentira vinte anos é muito chato, acho 28 muito melhor: você já é adulto, deixou as chatices de adolescente para trás, já é formada, tem experiência e no meu caso já era mãe, muito melhor 28. Acabei de fazer as contas e estou entre os 28 e 30 anos, pelo menos para o INSS (aquele que finge que me paga uma aposentadoria decente), para eles a minha expectativa de vida com saúde (se Deus quiser!) é entre 80 e 85 anos. Então eu tenho uns bons 25 anos ou mais pela frente. Oba!!!!! Acho que dá até para me aposentar outra vez!
Então aos 28/30 anos com todos os deveres cumpridos, casei (cof, cof... juntei mesmo, um juntado que durou 30 anos), fui mãe, sou avó, paguei impostos, comprei uma casa, trabalhei, fui boa moça, fui puta, fui abestalhada, fui sábia, magoei, fui magoada, fui passada pra trás, puxei uns tapetes (todos necessários e merecidos, oi?) e agora? Agora, não sei! O que sei é que a meia-idade (detesto melhor idade, argh!) tem muitas vantagens, vejamos: não menstruo mais (coisa boa, vocês vão experimentar), tenho saúde, não preciso provar mais nada para mais senhor ninguém, tenho liberdade de ir e vir na hora que eu quiser (lembrem-se já sou aposentada, hihihi), não preciso mais ser antenada (coitadinha vive no século passado), posso me fazer de surda (é melhor que ouvir besteira), posso dizer o que eu quiser (tá ficando gagá) e não tenho mais nenhuma paciência para discussão que não leva a lugar nenhum.  Há desvantagens: não dá mais para usar minissaia (não dou para Suzana Vieira), os biquínis ficaram um pouquinho maiores, a pele já não é luzidia e translúcida (isso saiu de romances do século XIX) nada que uns creminhos não ajudem, canso mais rápido (já vai longe quando dançava a noite inteira e ia trabalhar após um banho),  tem que pintar o cabelo a cada 15 dias (saco!).
Não tive crise dos 50 anos (se tive alguma foi aos 40), fiz minha primeira tatuagem justamente para comemorar a data, já pensei na segunda que será ainda esse ano, a terceira ainda estou decidindo. Estou á procura do que fazer nos próximos anos, isso não é bem verdade, afinal tenho 28/30 anos e muitos projetos. Vou realizar todos? Não sei, mas isso importa? Para mim, não. Basta que eles existam e que eu morra (aos 80/85) tentando.
O titulo é bem vintage (nome chic pra coisa velha), eu continuo amando os Rolling Stones e infelizmente não sobraram muitos Beatles para amar, mas os LPs (velha!) estão aí para continuar me lembrando o que era amá-los! Esse texto era para ser algo bem reflexivo e meio deprê sobre como estacionar na meia-idade, mas sou do tempo do sexo, drogas e rock roll, do faça amor não faça guerra, do flower power, sem lenço nem documento então não dá para ser deprê, não quero mais refletir sobre nada só quero ir por aí sem nada nos bolsos (os impostos já levaram tudo) ou nas mãos (não consigo carregar mais peso), quero aproveitar tudo que minha juventude prometeu mas não tive tempo de curtir, agora eu posso e vou, afinal só tenho 28/30 anos.


Esse texto foi escrito e publicado no blog Borboleta nos Olhos em julho do ano passado, então alguns já conhecem. Quando vi a Blogagem Coletiva, pensei... pensei... e optei por publicá-lo aqui, mesmo não sendo uma página do meu diário é um resumo dos meus dias passados e minhas expectativas de futuro.
Blogagem Coletiva proposta pelo blog Diário de Bordo, com o apoio da Luma e da Pandora.

34 comentários:

Pandora disse...

Esse texto é uma delicia de se ler!!!

Vinte anos é mesmo muito chato, 25 parece uma segunda adolescência e a juventude realmente promete muito e oferece pouco!!!

Obrigada Jussara pela participação, sinto-me honrada!!!

Bia Jubiart disse...

Oi Ju!

Li seu diário em uma só respirada (exagerada!), estou com 4.6 e sinto também que tenho mil coisas a realizar...

Ju, gosto de produções de época, vendo a abertura da nova novela da "platinada" "Lado a Lado", lembrei-me do seu trabalho, fiquei a observar o pano de fundo e a riqueza de detalhes e hábitos que não existem mais, é uma viagem...

Ah! Também tenho LP dos meninos de Liverpool.

Tenha um dia maravilhoso!

Bjoooooooo

✿ chica disse...

Muito lindo o teu texto e ficou ótima a participação!beijos,chica

Nina disse...

Ahh que pena que nao vamos poder vê-la nos anos 70 de minissaia :-(

Sabe o que é pra mim mais legal desse texto? é qd vc fala que está parecida com sua mae... sim, nós nao somos elas, fazemos mt coisas diferentes delas, ultrapassamos de alguma forma o nivel delas, mas de vez em qd, pra nao dizer, mt frequentemente, sentimos suas presencas no modo como falamos, nas risadas que damos, em como tratamos nossos filhos. Eu acho isso total e incrivelmente magico.

Bela participacao na BC.

Misturação - Ana Karla disse...

A D O R E I !
Ju, quanta coisa já viveu e com apenas 28 aninhos, ainda tem muito pela frente(risos)
Tudo de bom.
adorei mesmo.
Xeros

navirj disse...

Que texto bonito, Jussara! Ter testemunhado todas essas transformações no mundo é muito interessante.
Também vejo minha mãe no espelho apesar de termos vidas muito diferentes.
Linda a sua participação e linda sua foto.
Beijo, Nadia

Geíza Bolognani disse...

Ótimo texto, valeu!

Christian V. Louis disse...

Li seu post num tapa, sem piscar. Quanta coisa legal! (repense no caso de postar a foto de minissaia, ahaha #zoa). XD
Deve ser legal ter vivido tantas coisas e o mais legal é que você não se priva de nada por conta dos preconceitos da sociedade e conta isto com um humor único.
Gostei muito da sua participação.

=> CLIQUE => Escritos Lisérgicos

Beth/Lilás disse...

Uau, Jussara, seu texto tem tudo a ver com o que acabo de deixar lá no meu pedaço agora. Eu o fiz em resposta à amiga Borboletinha Somnia que escreveu algo semelhante a este seu.
Menina, eu também custo a crer quando olho no espelho e vejo aquela senhora fofinha e simpática que sou eu agora.
hehe
Mas, com rock nas veias e esperando o novo filme do Led Zeppelin.
legal!
beijos cariocas



Regina Rozenbaum disse...

kkkkkk acho que foi mais ou menos nessa época que começamos nossa amizade. Adoro ler/reler esse texto que cabe-me como uma luva. Pois deveria deixar aqui sua foto de mini...aposto que estava linda de viverrr de pernocas de fora. Ah Ju, essa semelhança especular anda me chateando um cadiquim. Sabe aquela sabedoria popular que diz aos pretendentes: olha a mãe e saberá o que terá no futuro? Então, tô gordinha quiném ela kkkkkk e não tem reza braba que me livre desse excesso de exuberância! Genética pouca é bobagem!!!
Beijuuss, doces, n.a.

Alê Lemos disse...

Te adorei sabia? Você foi muito engraçada e viveu coisas que eu gostaria de ter visto. Também tenho a sensação de que vejo minha mãe no espelho. O pior é que até os trejeitos são iguais! To ficando até com as manias chatas dela de sentir enjoo com cheiro de comida depois do almoço kkkkk.

Fernanda Reali disse...

Jussara, eu adorei te encontrar, de verdade! Tomara que a nossa amizade se fortaleça, porque a tua companhia foi suuuper agradável! Vim te deixar este recadinho e aproveitei para ler o post. Agora eu pude "ouvi-lo"com a tua voz. Beijooooo

Alessandra Alves disse...

Belo texto!
Como os prós são maiores que os contras, acho que é por isso que a chamam de "melhor idade"
Beijos!

VERINHA disse...

Olá Jussara,
Que texto incrível, parabéns por sua participação,quanta coisa que você viu e tantas que ainda verá.
Gostei muito de te conhecer.
Beijinhos.
http://eternamentevv.blogspot.com.br/2012/09/uma-pagina-de-meu-diario.html

Marina disse...

Jussara, eu gostei muito do seu texto, foi um dos melhores que li aqui. Sabe, eu tenho 28 anos vividos e penso muito na ideia da passagem do tempo e nesse processo da gente ir envelhecendo. Não sei exatamente o motivo, mas penso muito nisso. Penso e sempre me convenço que vou estar feliz com 55 anos e mais. A cada ano que passa eu me sinto mais feliz, mais bem resolvida, mais segura e, sinceramente, estou aprendendo devagarinho a ser exatamente quem eu sou e dizer tudo o que penso (ou quase). Vejo que você já chegou lá e isso me traz uma paz, porque essa é uma liberdade que eu vivo perseguindo, mas que não encontrei ainda. Acho que deve ser muito boa essa sensação... 28 anos é bom, eu adoro essa fase em que estou, mas também é muito corrida, cheia de coisas que a gente vai ter que conquistar na próxima década ou mais, uns medos ridículos que a gente sabe que vão passar mas que não passaram ainda, satisfações a dar, coisas de que cuidar... enfim... lendo seu texto-página-de-diário você falou que sente e vive muitas coisas que quero sentir e viver mas que ainda não chegaram! Vou curtindo o caminho.

Luma Rosa disse...

Na blogagem que a Bia (Jubiart) promoveu "O que eu faço de bom", no post escrevi sobre a presença que sinto em mim de minha mãe. Outro dia levei um susto! Por que não somente os valores carregamos, mas também o aspecto físico. Nesse dia, esteve em casa uma amiga espírita e eu a ouvi com atenção, por que esses assuntos são misteriosos para mim. Ela foi embora e subi as escadas para o meu quarto no escuro. Quanto cheguei na saleta do andar de cima - onde a porta é de vidro com insulfilm espelhado - acendi a luz que fica ao lado dessa porta. Assustei comigo! Não imagina sozinha no meio da noite dar de cara com o vulto da minha mãe. Agora tenho que tomar cuidado para não ir dormir assombrada todos os dias. Enfim, a minha nãe dizia que a cada dez anos, precisamos nos desvencilhar de um vício e adquirir uma virtude. Estou nesse processo de desintoxicação para uma vida plena e sem grandes apegos.
Adorei a sua participação e ainda não tinha lido no outro blogue :)

Irene Moreira disse...

Olá Ju

Um bom motivo para fazer uma visita ao seu blog e saborear esse texto que leva a tantas recordações.

Como estou nessa faixa dos 30 e fiz parte dessa história quero mais é aproveitar e curtir essa vida.

Um lugar que sempre aprendemos algo de bom.

Beijos

Suzi disse...

Você viu muita coisa! E pelo que relatou, também foi muita coisa. Gostei do seu texto, faz a gente repensar a nossa vida. Eu não sei se teria tanto pra contar,sobretudo porque nem fiz muitas coisas (apesar de não ser tão novinha assim,como outros pensam). E........tatuagem!? LOL

Lin Sousa disse...

olá, sempre um prazer conhecer pessoas interessantes.. e conhecendo agora seu blog me deparo com esse texto que parece q foi escrito para mim.. acho que não experimentei tanta coisa como você mas tb me sinto com uns trintinha pq ser fifty incomoda (confesso)..se os trintinha não estivesse só na mente seria bem bacana ..mas tenho pretensões de tb chegar aos noventinha ..bjks LIN

Meri Pellens disse...

Olá! Adorei seu texto, realmente jovial e de bem com a vida. É tudo de bom conhecer pessoas assim como vc.
Beijinho e muita paz!

Clara disse...

Amei o texto e suas experiências. Me vi em algumas partes, como não ter que dar satisfação de nada e nem ficar discutindo um assunto que não leva nada a lugar nenhum.... isso dá um canseira. A época da revolta já passou. Hoje é só viver tudo o que queremos.
Tbm sou roqueira e ainda não tenho tatuagens... mas ainda sou um pouquinho mais novinha que vc, que tenho 24/28 anos.... deve ser isso.

Amei seu relato!

Beijos

Calu disse...

Oi Jussara,
dizem os entendidos que ao nos transportamos para dentro do que lemos conseguimos realmente um encontro com o autor.Então, acabamos de ter um papo intenso, pois me via a cada linha tua, dos 28 aos 50 e tal.Que nem, que nem, eu , como vc, vivi tudo aquilo, amei os Beatles e os Stones e guardei as fotos de mini-saia.Quem sabe um dia eu mostro,rs.
Adorei nossa conversa.Uma página e tanto, esta do teu diário.
Bjkas,
Calu

Cris Mussi disse...

Cumadre.. Para mim, que te vi com umas míni saias curtinhas, vou deixar todos com inveja...
Delicia de texto.. Retrata bem o que vivemos ,o que sonhamos e o que somos hj.
Umas velhinhas com comportamento, coração,pique e cabeça de 28/30...
Quem diria que seria assim???? E quem sabia como seria?
Beijocas no coração
Cris

RUTE disse...

Oi Jussara,
também estou participando da BC pág de Diário. Que pena você não ter postado uma folha, nem que fosse do album de fotos com a mini-saia mais curta do hemisferio sul (ah ah ah).
Agora falando sério, adorei seu resumo das fases da vida, uma viagem reflexiva só de se olhar no espelho e se ver na imagem de sua mãe :)
Beijinhos além-mar (Portugal).
Rute

Sandra Portugal disse...

Quase tô chorando!!!!!!
É tudo o que penso e sinto...
Só não aposentei ainda...e tenho filha pequena para cuidar... e ainda tenho senhor para dar stisfação, mas de resto....
aí aí aí...
quem disse que eu não tenho mais 28/30 anos?
Tenha um dia perfeito!
bj Sandra
http://projetandopessoas.blogspot.com.br//

SHEYLA - DMulheres disse...

Ju

Lindo texto!!Já li e reli várias vezes. Que bom que nada parou (apenas passou) e que ainda tens a vida toda pela frente. E além disso tudo, tem osangue dos Xavier correndo nas veias kkkkkkk

mil beijokas no coração.

Ziula Sbroglio disse...

Linda idade - 28/30 anos, mas prefiro estar por aqui, quase 50 e olhar aquele tempo com nostalgia, embora sem vontade de voltar.

Lindo texto!

Inaie disse...

Jussara meu amor, como é que esse seu blog não é assim, SEU?? Sobre você, que é muuuito mais interessante do que qualquer livro que você possa palpitar a respeito????

E lendo esse texto, tive lágrimas nos olhos, ri e cheguei a conclusão de que apesar de ter nascido em 71, eu também tenho 55 anos, por que me identifiquei com praticamente tuuudo o que você falou. E já to mesmo a cara da minha mãe. E o gênio do k...

Amo qdo vc fala de você

Teresinha Ferreira disse...

Arrasou!! Que texto lindo!
Quantas acontecimentos se passaram. Parece que foi ontem, né? Sempre nos parecemos com nossas mães e seguimos muitos caminhos iguais. Apenas mudamos algumas pegadas, pois o mundo mudou. E como mudou.
Amei!!!
Bons fluidos.

Chris Ferreira disse...

Uau! Que texto maravilhoso!
Adorei!
Beijos
Chris
http://inventandocomamamae.blogspot.com.br/

Maria Lúcia Marangon disse...

Adorei seu texto! Tenho 55 anos e me identifiquei com praticamente tudo o que você escreveu.
Adorei mesmo!
Beijos!
Maria Lúcia

Carlos Medeiros disse...

Infelizmente o tempo passa. Mas se sentir mais jovem, é bom. Não sei se dá pra comparar os 55 de hoje, com os do passado, o pessoal tinha menos recursos para se cuidar em termos de saúde. Abraços.

ps: no meu texto, a força que moveu os vulcões a fazerem algo só pode ter vinda de um poder divino.

Lúcia Soares disse...

Só vou endossar todos os elogios. Eu, que já tenho uns aninhos a mais que os seus, sei bem do que falou. Vivi tudo isso e mais um pouco.
Só lhe digo que a parte boa nisso tudo é termos saúde. Com ela, iremos longe!
Beijo!

Beth Blue disse...

Que texto maravilhoso, Jussara! E meio século? Uau. Eu vou completar 47 anos daqui a dois meses e nem acredito...como você, também me sinto lá pelos 30 anos!

Este negócio de idade é mesmo muito estranho. Emocionalmente tem dias que me sinto uma velha e acho que vivi demais. Mas na maioria dos dias simplesmente não acredito na minha idade...tem coisa mais relativa que idade? Idade está mesmo é na cabeça da gente, a gente tem a idade que acha que tem e pronto.

Então se você tem 28/30 eu também acho que estou por aí, rsrsrsrsrs. Vida louca! beijos