sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

A vida cantada não é fácil

Don Giovanni, Mozart

Don Giovanini é uma das óperas mais conhecidas e uma das mais montadas pelo mundo, essa ópera é cômica ou buffa, mesmo tendo elementos de melodrama, tem dois atos e oito personagens, a música é do compositor austríaco Wolfgang Amadeus Mozart e  o libreto é do autor italiano Lorenzo Da Ponte. Conta a história de Don Giovanni um sedutor que já começa mascarado tentando seduzir Dona Ana enquanto seu criado Leporello do lado de fora se queixa da vida. Ao sair da casa da dama Don Giovanni se encontra com o pai de Dona  Ana, o Comendador,  se bate em duelo e o mata.  Dona Ana ao ver o pai morto faz o noivo, Don Otávio, jurar vingança. Na fuga Don Giovanni encontra uma antiga amante inconformada, vai parar numa aldeia onde se encanta com uma noiva e tenta conquistá-la e aqui começa uma longa série  de quibrocos. Don Giovanni está sempre tentando se dar bem em suas conquistas.
No segundo ato Don Giovanni abandona as damas e vai atrás das criadas, trocando de roupa com Leporello, depois de mais um pouco de comédia de erros eles fogem para o cemitério, onde ouvem a voz do Comendador, Don Giovanni, gaiato, o convida para cear. Durante a ceia o Comendador aparece e o carrega para o inferno e cada um dos outros personagens seguem com sua vida. Lembrem-se isso é uma ópera, então tudo é cantado, com árias difíceis e exigente com os cantores.

Mozart

Eu não sou apreciadora de ópera, alias não entendo nada dessa arte e jamais vi ou escutei Don Giovanni, se ouvi não sabia que era uma ária dessa ópera. A minha vida profissional me leva por caminhos estranhos a minha vida pessoal, o filme que vou fazer tem uma cena dessa ópera, que levará nas telas por volta de 30’, isso mesmo trinta segundos, em 1856. Então lá vou eu estudar como se apresentavam as óperas na época, como eram desenhados os telões, as máscaras, como eram os libretos, como se comportavam as platéias, onde ficava a orquestra e o maestro. A ópera na época era a “balada” do momento, onde as pessoas iam para ver e serem vista, das platéias talvez pouquíssimos eram realmente amantes dessa bela arte, mas muito entendiam já que educação musical fazia parte da boa educação. Depois de descobrir tudo que posso, vou atrás de quem possa fazer um telão condizente com o teatro, o lugar e a época da cena, o bom que a realização do telão, tamanho e colocação é da cenografia, a iluminação que era feita a vela, eu entrego a referência, a cenografia faz  a ribalta e o efeito especial dá um jeito de não colocar fogo no teatro, risos... Por essa amostra vocês já vêm como foi essas duas primeiras semanas de trabalho, essa é uma cena em 310 e cada uma tem um “pequeno” probleminha que tenho que ir resolvendo. Aguardem os perrengues que eu passo, já tenho dois, muitos  bons, guardados, só esperando uma solução para contar.
“A morte dos pérfidos é sempre igual à sua vida.” Lição final da ópera Don Giovanni
SOBRE O AUTOR
Wolfgang Amadeus Mozart (1756 – 1791)  -  compositor austríaco do período clássico, autor de mais de seiscentas obras entre sinfonias, concertos e óperas, Don Giovanni estreou em Praga em 1787.  
Lorenzo Da Ponte (1749-1838) - libretista italiano, um dos mais célebres e influentes da história da ópera. Escreveu o libreto de Don Giovanni e As Bodas de Fígaro entre outras.

21 comentários:

Pandora disse...

A única opera de Mozart que conheço é A flaúta Mágica eu li uma adaptação de Marion Zimmer Bradley e achei legal, só na faculdade fui aprender sobre Mozart e dalé história para estragar uma história que eu achava tão legal!!!

Mas muito mais legal foi que no ensino médio meu professor de filosofia cantou em uma opera convidou a turma para acompanhar o ensaio final no Teatro Santa Isabel e foi lindooo!!! Acho que até ele se espantou com o nosso encantamento com uma coisa tão fora da nossa cultura atual, ele deu um tiro no escuro (coisa de professor viajado mesmo) e acertou no alvo!!!

Como compartilho com vc a paixão pelo século XIX não é novidade que a opera era badalada, o que tem de anuncio convidando as pessoas para verem os espetaculos néh brincadeira, eu fico encantada...

Agora o mais legal de tudo isso é o esforço danado que vc faz para tornar possivel uma cena de 30 segundos!!! Dá até vontade de ri kkkk e de chorar também!!!

Misturação - Ana Karla disse...

Jussara, também não entendo muito de óperas, mas as pouquíssimas(uma ou duas...kkk) que conheço foi graças a meu pai que sempre incentivou essas aos nossos ouvidos, ouvindo de vez em quando.
Apesar do pouco tempo, posso imaginar o trabalhão que dá para realizar, então desejo que você realize com sucesso o seu papel.
Xeros

Juliana disse...

No início do post, fiquei meio intimidada. Pensei: pô, a jussara tá muito chique falando de mozart e eu aqui que mal sei quem ele é".kkkk

Ai, seu trabalho parece ser muito interessante e desafiador. Conte mais! Conte mais!

Cinderela Descaída disse...

Nossa, incrível imaginar a quantidade de trabalho na realização de um filme. Imagina, tudo isso para trinta segundos?
Mas fiquei muito curiosa. Parece ser um trabalho sensacional.
bjs,

Rafaela Bento disse...

o q sei sobre opera ...é o q leio em literatura, quando muito raramente aparece..rs..logo não sei nada..rs..musica clássica escuto nas trilhas dos filmes ..posso até gostar da melodia mas nunca sei de quem é..rs..bom assim, quando a vida coloca a gente pra aprender ;)

Boa sorte na empreitada ;)

Luana disse...

Eu gosto de Opera, minha mãe me ensinou a gostar. Vi a flauta magica na suécia uma vez e achei lindo!

Nao pode colocar algumas poucas fotos do seu trabalho? =)

Kinha disse...

Estou me encantando com a riqueza e as dificuldades de seu trabalho: a dor e a delícia de fazer o que você faz.

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

eu adoro ópera e música clássica, gosto mesmo! Don Giovanni é mto legal.

esse trabalho q vc tá fazendo deve ser mto interessante! eu queria é estar lá com vc pra xeretar tudo rs.

bom dia Jussara!

Fatima Valeria disse...

Nova postagem,abraços.

Fatima Valeria disse...

Nova postagem,abraços.

Inaie disse...

estou adorando. um pouco disso, um pouco daquilo, e muito de voce!!

tenho tantas perguntas, tanta curiosidade, to doida pra vc estar menos ocupada pra eu sair soltando o perguntodromo...

Regina Rozenbaum disse...

Eiiii Ju!
Hoje venho pelo seguinte:
Tive que mudar a url do divã. Conto com a compreensão e o carinho de todos vocês além da tal paciência, para que eu possa fazer todas as atualizações e lincá-los novamente.Não me abandonem e por favor atualizem meu novo endereço (senão vai encontrar blog desaparecido!rsrs) e me ajudem a avisar os amigos! Agora o endereço é: www.divadaregina.blogspot.com Amo vocês de viverrr!!!
Beijuuss n.a.

Fernanda disse...

Nada como um bom desafio para nos trazer aprendizado!

Que a sua jornada seja muito gratificante! Bom final de semana.

Mayara disse...

Oi Jussara, tomara que vc consiga resolver os perrengues rápidinho. Eu estou adorando suas postagens sobre seu trabalho :) Um abraço!

Christine disse...

Fico imaginando a loucura que deve ser, vc ter que fazer as coisas, as pessoas nem sempre entendem, pq quem realiza não tem o conhecimento que vc buscou e por aí vai! mas tenho certeza que vc deve estar estufando de satisfação. Siga em fente e estou te escrevendo isso na virada para o ano do Dragão. Faltam menos de 10 minutos. Que o ano de 2012 seja tão prospero e realizador como os chineses acreditam. Xi nian Kuai Lè!
em tempo: a frase da ópera que vc finalizou o post é, digamos, perfeita... se é que vc me entende...hahahaha Bj.

Bia Jubiart disse...

Jussara, puro desafio! Trabalhar sem rotina é o máximo! Sei, em arts tem a sua dose de problemas, mas o achar, descobrir e pesquisar soluções só deve fazer fazer vc se descobrir uma profissional mais lapidada a cada dia...

A ópera já tinha ouvido falar, mas desconhecia a história... Palavras Vagabundas é cultura!

Beijo no coração e um bom trabalho!

Menina no Sotão disse...

Carissima, eu amo ópea e lembro com clareza da primeira vez que eu fui levada ao teatro por minha mãe (era meio de tarde) e ela disse "vamos assistir a um ensaio. É opera. Precisa ficar quieta. Então saiba que se trata de um caso de amor, ou se ama ou odeia. É impossível apenas não gostar ou gostar apenas". Fiquei imóvel e chorei apenas no ensaio. Era Carmem de Bizet. rs

bacio

Luma Rosa disse...

A minha mãe dirigia um conservatório e sempre estive com a música por perto, mas não tenho muita paciência com ópera. Don Giovanni são quase 3hs. e será mesmo um desafio resumir em tão pouco tempo.

Em outubro do ano passado foi transmitido diretamente do Metropolitan de Nova Iorque a apresentação de Don Giovani e apenas 10 salas de cinema no Brasil tiveram exclusividade. Não consegui assistir nesse dia e queria ver a performance de Mariusz Kwiecien; um tenor bastante elogiado. Consegui assistir somente em novembro, uma gravação na VIVO RIO.

Uma curiosidade: No filme "Amadeus", Dom Giovani é explicitamente citado por Salieri como sendo a invocação que o próprio Mozart faz do pai já falecido.

Bom trabalho!
Beijus,

Liberdade. disse...

Boa noite!

também não entendo,
mas sabe que tinha uma vontade enorme
de saber apreciar!
adorei seu blog!

abraço!

Daniel Brazil disse...

Don Giovanni é bem divertida! Aliás, mais fácil de entender que a Flauta Mágica, que tem um libreto (enredo) bem confuso...
Em boas locadoras de vídeo é possível encontrar versões modernas, legendadas, gravadas em HD. Experimentem!

Teresinha Ferreira disse...

Olá Jussara,
Que coisa bacana!
Não sou muito fã de ópera, mas reconheço o seu valor.
Esse lance de pesquisa é algo fascinante, não é mesmo?
Sucesso sempre!
Bjs mil