quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Quero mais!

Viver para contar, Gabriel García Márquez

Não é segredo para ninguém meu amor pelos livros de Gabriel García Márquez, Gabo para os íntimos e como me sinto íntima o chamo assim. Viver para Contar é a sua autobiografia, ou suas memórias  ou até mesmo um novo romance, tudo vai depender dos olhos de quem lê.  Não tem nada de convencional o livro, começa quando ele tem uns 20 anos  e  sua mãe pede que a acompanhe em uma viagem a Aracataca (cidade onde nasceu e viveu com os avós), para vender a velha casa da família. Ele mesmo confessa que foi a viagem mais importante de sua vida. Suas recordações da casa, juntamente com a viagem, nos fazem reencontrar as raízes de Cem anos de solidão,  Amor nos tempos  do coléra, Ninguem escreve  ao coronel e tantos outros. Gabo vai e volta em suas recordações, a gente pode até estar lendo, mas na verdade estamos ouvindo uma conversa agradável e vívida com seu protagonista que viveu e tem talento para contar, dá vontade de perguntar mais e  comentar. É aquele tipo de conversa que se tem na mesa da cozinha tomando café ou na rede balançando, isso me lembra meu avô e suas histórias.
Toda biografia ou autobiografia tem com finalidade nos fazer conhecer melhor a personalidade do retratado, se é de alguém que gostamos fica melhor ainda. Com Gabo a coisa toda toma outra dimensão, pois estamos a reencontrar velhos amigos, são os personagens tão bem retratados em seus livros.  É o avô que faz peixinhos, a avó que sabe tudo de superstições e costumes,  o universo feminino da época (ele era o único menino na casa do avô, por quem foi criado até os 8 anos), a história de amor dos próprios pais, uma tia esquisita ou uma irmã que quando distraída comia terra. Na verdade todos nós temos uma vida que daria um romance, quem não tem um tio esquisito, uma tia-avó supersticiosa ou uma conhecida da família que conhece um velho segredo para cair verruga, o que nos falta é talento para colocar isso no papel. Se olharmos bem vivemos num mundo mágico, o mundo de Gabo é mágico porque ele enxerga assim e com talento ele amplia esse mundo em seus livros. Em Viver para Contar ele tem um texto mais jornalistico para os fatos, mas que culpa tem ele que sua vida foi cheia de magia?
Viver para Contar cobre seu nascimento, infância, colégio, universidade (da qual não se formou, largou o Direito no segundo ano) e seus primeiros passos como jornalista e escritor, até sua ida para Europa, pela primeira vez, como jornalista.  Gabo nos engana com suas memórias, acaba antes dele se tornar de fato escritor, de se casar ou ter filhos, fica aquele gosto de quero mais, quando vem?  Isso não sabemos, pois ele escreveu Viver para Contar em 2002 e lá se vão  quase 10 anos!
Viver para Contar pode  e deve ser lido por todos, mas aqueles que conhecem o universo de Gabriel García Marquéz terão mais motivos para se deliciar com esse livro. Esta postagem faz parte do Desáfio Literário 2011.
“A vida não é a que gente viveu, e sim a que a gente recorda, e como recorda para contá-la.” Gabriel García Marquéz
SOBRE O AUTOR
Gabriel García Marquéz (1928-      ) – escritor colombiano ganhador do Prêmio Nobel de 1982. Viver para Contar, foi publicado no Brasil em 2003, pela Editora Record.

23 comentários:

Beth/Lilás disse...

Oi, Jussara!
Que boa dica de leitura esta!
Também sou fã de Gabriel G.Marquéz e gostaria imensamente de ler sua biografia.
E o livro é muito grosso? Pergunto porque gosto de comprar para quando viajo. Valeu!
beijos cariocas

Luciana Nepomuceno disse...

Gente, GGM é tudo de bom. Só isso mesmo, não queria passar por aqui em silêncio. Bjs

Pandora disse...

Saramago e Gabriel Garcia são meus pecados literários, ainda não li nem um, nem outro...

Quem sabe com essa boa incentivada que vc deu eu embarque néh Jussara, incentivadora número 1 de novas aventuras literárias.

Cheros... E sim, não sei como o povo consegue cumprir esse desafio, eu não consigo, toda vez que faço uma lista o primeiro desejo que me vem é perverter o pacto, ler tudo ao contrario, de uma vez, invertido... Enfim... deve ser rebeldia rsrsr...

Sheyla Xavier disse...

Jussara,
esse ainda não li, mas gostei do "Memória de minha putas tristes". Mais uma dica que vai para imensa lista...
bjokas

Celina Dutra disse...

Jussara,
Só com sua resenha já me deliciei. Esse vou ler bem depressinha. Obrigada pela dica! Amo seu Gabo.
Girassóis nos seus dias. Beijos.

VaneZa disse...

Esse livro dele talvez eu me atrevesse a ler. O único que eu li foi Os 12 Contos Peregrinos... e eu não gostei. Sério, não gostei, não. Já meu marido tem o 100 Anos Solidão como um dos melhores livros da vida dele... cada doido com sua mania. rs

BeijoZzz

Luma Rosa disse...

Ele publicou essa autobiografia em 2002, logo após ter sido diagnosticado com câncer linfático. Não é fácil escrever memórias, ainda mais a sua e na eminência de uma doença que assusta. Quero mais também! Só li a primeira parte! (rs*)

"Aprendi que um homem só tem o direito de olhar um outro de cima para baixo para ajudá-lo a levantar-se"

Beijus,

Luana disse...

Esse livro deve ser uma delicia! Adoro autobiografias, ninguém melhor do que mesmo para falar da sua própria vida, nao eh?

Acho que eh por isso que tenho um blog.. hahaha... Quando eu ganhar o Nobel de física eh so publica-lo...

Me achando o gênio!

Beijo Ju

Cissa Branco disse...

Ju,

sou apaixonada pelo Gabriel, Viver para contar li apenas pela metade, pois era emprestado e tinha que devolver, quero ver se nas próximas férias me deparo com ele novamente.
Para mim todas as obras dele passam essa ideia do bate papo, tenho necessidade de interagir com a obra, brigo, fico furiosa, emocionada, reclamo dos personagens, é algo mais que delicioso.
Grandes beijos

Kinha disse...

Oi Jussara,
Sou fã de Marquez também. Obrigada pela indicação. Adorei o blog e te sigo desde já!

Adelaide Araçai disse...

Jussara que saudades de passar por aqui. Adorei a dica este ainda não li, já está na lista.
Muita Luz e Paz
Abraços

M. disse...

Eu também:)

O Guri disse...

Também gostei muito do "Memória de minha putas tristes". Tu sabe que eu encarava livros biográficos apenas como uma forma de ganhar dinheiro, ou então como algo que só se lê com obrigação.

Bom ouvir outra opinião.

http://umgurientregurias.blogspot.com/

Lufe disse...

“A vida não é a que gente viveu, e sim a que a gente recorda, e como recorda para contá-la.”

E como você bem disse, ter talento para conta-la é fundamental e isso GGM tem de sobra.

boa dica.

bjo procê

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Já tá na lista! rs.

Delícia de ler tá essa sua resenha, Jussara.

bom dia!

Mônica disse...

Oi Ju, acho que estas meninas do Desafio Literário deveriam receber um prêmio, pois elas são responsáveis por tanta leitura e resenha inusitadas aqui na blogosfera. Quanto livros estavam esquecidos nas estantes e elas fizeram a gente levantar o mofo deles e clarear nossos olhos e mentes.Todos os meses é um desafio novo, mas este mês acredito que foi muito bom, pois o que eu já li de Gabo ou Llosa graças a elas. Parabéns pela resenha.
Bju

Teresinha Ferreira disse...

Olá Jussara,
Como sempre você nos aguçando com suas resenhas. Amei!
Bjs mil

Glória Maria Vieira disse...

Nossa, Juh! Eu sou apaixonada por Gabo (intimidade define também). Eu estou terminando de ler Cem anos de solidão (já era pra eu ter terminado, mas, né?! AUHAUHSUAHHU Tempo...), Ninguém escreve ao Coronel, Memória de minhas putas tristes e assisti ao filme de O Amor nos tempos do cólera que é belíssimo, né?! Pretendo ler esse também, uma vez que pretendo ler tudo que tenha passado pela caneta/lápis do GGM...

Jacqueline Braga disse...

nunca li nada do autor, mas eu amo biografias e já entrou para lista.
bjos

Inaie disse...

Como assim SO Paris, Alemanha e Londres???

Que delicia. Aproveite muito, amiga. E eu quero saber tuuudo, tim tim por tim tim!

Bj

Clara disse...

Muito boa dia...
Está na listinha já!

Beijossss

Ma Ferreira disse...

Amei e resenha....ja esta n meu caderninho para quando eu for a livraria..

bj

Vivi disse...

Tenho ótimas lembranças dessa leitura. Excelente dica!