segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Terra, Gente e Vida

Terra, Sebastião Salgado
Eu gosto de muitas coisas, aliás como toda gente, de umas eu gosto mais e de outras menos, mas principalmente eu gosto de Gente, eu gosto desse bicho chamado Ser Humano. Acredito que todo mundo tem uma boa história para contar, que suas vidas são cheias de aventura mesmo quando os próprios não acreditam nisso. Como gosto de ouvir história, sou uma faladeira, deu chance, eu saio conversando com qualquer um em qualquer lugar e nunca me arrependi! Já me fizeram companhia em fila de banco, fila de supermercado, dentro de avião, em ônibus e até em velório pessoas fantásticas que durante aquele curto espaço de tempo se fizeram meus amigos, mesmo que nunca mais tenhamos nos encontrado. Gente jovem, gente velha, criança, rico, pobre e até miserável, não perguntem a cor, sua religião ou sua convicção política, eu não me lembro! Está uma das razões porque eu não entenda preconceito, ou melhor até entendo, só acho que é burrice mesmo!
Gosto também de fotografia, fotografias que retratem Gente, por mais bela que seja uma foto de paisagem sem Gente para mim não tem muita graça. O que me chama a atenção é o Ser Humano naquele instante da foto, aquele pequeno segundo que muitas vezes contam uma imensa história. Eu compro livros de fotos e compro fotos, principalmente em feiras de antiguidade, sinto não ser rica, por que se o fosse seria uma colecionadora de fotos!
Terra é um livro que contém 100 fotos em preto e branco de brasileiros despossuídos, crianças, gente jovem, gente velha, famílias. Todos lindos, toda sua história refletida em seus olhos, em suas ações e em seu espaço. A garota da capa me comove até as lágrimas. Explico porque, numa das minhas andanças a trabalho estive em Ilhéus trabalhado em uma fazenda de cacau, muitas crianças me rodeavam todo o tempo e me contavam histórias do lugar e deles mesmos.
 Um dia as meninas me chamaram para que eu fosse ver a “casinha” delas, eu havia dado várias coisinhas para elas – copos descartáveis, caixa de papelão, talheres de plásticos. Lá fui eu, um cantinho perto do mato – cacau precisa de árvores altas para crescer, por isso a plantação parece uma floresta – a casinha muito bem arrumadinha, panelinhas de barro, caixas de papelão como berço, todas com suas bonecas velhas e capengas, mas...uma delas estava com a boneca enrolada, pedi para ver e a boneca não tinha a cabeça! Fiquei chocada, ela me disse que o cachorro havia comido a cabeça, mas que ela gostava dela assim mesmo porque ela se lembrava da carinha da boneca! Resumindo, fiz cara de paisagem, elogiei, voltei ao meu trabalho com lágrimas nos olhos e no dia seguinte comprei boneca para todo mundo. O que me comove até hoje é que nem ela e nem as outras meninas estavam ou eram infelizes! Pelo ao contrário, elas estavam felizes por poderem brincar com o que tivessem,  pela atenção de alguém que veio de tão longe e que não tinha nenhum olhar de pena,   superior e até mesmo de culpa. A garotinha de Ilhéus tinha na época por volta de seis anos e era muito parecida com a garota da capa do livro Terra. Ser generoso no olhar e ter ouvidos para ouvir é fundamental para respeitar o próximo e aprender com ele, muitas vezes a ser feliz, não cabe preconceito.
Sebastião Salgado é o mais importante fotógrafo brasileiro da atualidade, ele já fotografou no mundo inteiro e sempre privilegia fotografar o Ser Humano, seja no Brasil, na África, na Europa ou onde sua inquietação o levar. Seja onde ele estiver suas imagens sempre mostram a dignidade fundamental de toda a humanidade (no sentido maior da palavra), a luta incansável por uma melhor compreensão dessa mesma humanidade em sua diversidade, seu olhar é sempre solidário e ignora qualquer preconceito. Terra é um dos mais belos dos seus trabalhos, mas sou suspeita afinal sou brasileira, ele retrata no livro a grande diversidade de nossa terra e de nossa Gente. O livro tem uma introdução escrita por José Saramago e versos de Chico Buarque. Sebastião Salgado já recebeu praticamente todos os principais prêmios de fotografia do mundo como reconhecimento de seu trabalho que documenta todos nós seres humanos, um bom jeito de descobrir o porquê de tantos prêmios é olhando as fotos do livro Terra.
"Espero que a pessoa que entre nas minhas exposições (ou vejam meus livros) não seja a mesma ao sair" Sebastião Salgado
SOBRE O AUTOR
Sebastião Salgado (1944 -    ) – fotógrafo mineiro, brasileiro e cidadão do mundo publicou Terra (pela Companhia das Letras) em 1997 e em 1998 recebeu o Prêmio Jabuti de Melhor Reportagem.






30 comentários:

Celina Dutra disse...

Jussara,

Você me emocionou com este post. Seu jeito de estar na vida, o depoimento sobre a alegria das crianças e sobre a garota que continuava gostando da boneca, mesmo sem cabeça, o gosto por fotografia de gente e a divulgação do estupendo Sebastião Salgado. Meu obrigada com reverência e mãos postas.

Girassóis nos seus dias!
Beijos

Macá disse...

Ju
Tá ai, eu não sei fazer resenhas tão boas como você faz, mas uma coisa temos em comum: também não gosto de fotos só com paisagem, eu gosto com gente. O olhar capturado no momento, o gesto, a alegria ou a tristeza passada no momento do click, enfim, o próprio momento da foto. Isso é bonito de ver.
E Sebastião Salgado merece todas as homenagens.
beijos

Lufe disse...

Mais do que Sebastião Salgado (conheço algumas coisas de seu trabalho, fotos aqui e acola) me encantou neste post o seu olhar sobre o trabalho dele.
Me comoveu a sua descrição da casinha das meninas na lavoura cacaueira baiana onde a felicidade esta nas coisas mais simples da vida, a liberdade de sonhar e de ser.
Gostei do relato da sua forma de ver a vida abominando o preconceito, a generosidade da convivência independente da forma que o ser humano lhe apresenta.
A sua generosidade no olhar, no ouvir, no aperceber e interagir.
Já era seu fã, me torno cada dia mais.

Bjo

Ps. O Trabalho era "Renascer"?

Rogério Pereira disse...

Jussara Maravilha
Que prazer. Dá para perceber minha satisfação? Terra é, não só um livro adorado como também sela, como selou, uma profunda amizade entre quem nele participou. Sobre o prefácio? Publiquei-o numa das minhas "Homilias Dominicais (citando Saramago)". Foi na 7ª, já vou na 46ª. Nela apresento também fotos do Sebastião Salgado e dois videos onde os três entram no programa do Jô. Tudo issopode ler e ver aqui. Boa escolha, a deste post. Quanto ao que escreveu, o Lufe disse tudo...Obrigado Jussara... Maravilha!

Cissa Branco disse...

Ju,

Uma paixão em comum, Sebastião Salgado e sua arte. Adora esse livro Terra, tentei trazer a exposição muitas vezes para cá e não consegui, uma pena. O massacre de Eldorado dos Carajás é tristemente retratado, e a Serra Pelada também me emociona muito, um olhar único. Sabe aquele convite que vc me fez, posso falar do Livro dos Abraços, esse seu post me levou a pensar nele e em minha outra paixão, Galeano. Voc~e já postou sobre o livro dos abraços?
Grandes beijos

Pandora disse...

Também gosto de gente e sou uma conversadeira profissional na Net, na rua em qualquer lugar gente é gente e sempre tem uma grande história para contar!!! Acho que é por isso que gosto de história, porque é uma ciência que me aproxima das pessoas, de seus caminhos que me ajuda a compreender.

Adorei conhecer Sebastião Salgado, alguém que faz poesia com as lentes pelo o que pude perceber!

Adelaide Araçai disse...

Ju eu também falo pelos cotovelos...e lendo aqui a descrição de como vc fala com todo mundo e em todos os lugares, parecia que vc falava de mim....rsrs (esse meu ego...rsrs) Amo Pessosa e o trabalho do Sebastião Salgado, ver a forma como você o apresenta é algo muito especial.

Tenha uma ótima semana
Muita Luz e Paz
Abraços

Luciana Nepomuceno disse...

Eu gosto de gente. Gosto do S. Salgado. Gosto do Chico. Gosto de ti. Uma das coisas mais lindas que me aconteceu foi chegar num cantinho miúdo da Itália e encontrar uma exposição dele e ver como comove a todos de tantas formas.

Amei seu post, me comoveu, me fez sentir tudo em sal, viu?

Celia na Italia disse...

Ju
Eu amo fotografar e amo igualmente a vida e as pessoas. Não sei o que faria se tivesse que ficar quietinha por mais de 2 min
Concordo com vc, as fotos de pessoas trazem, mesmo que seja só naquele instante, tanto delas, tanto de um contexto, de uma existencia.
Os olhos falam de verdade, o sorriso me faz sorrir tb.
Belissima citação, vou ver se encontro este livro por estas bandas.
Um super abraço

Glória Maria Vieira disse...

Sebastião Salgado... Uma professora minha de Antro. recomendava muito mesmo que a gente visse as fotografias dele, Juh. Taí mais um incentivo= você. Eu concordo e assino embaixo: eu gosto de gente. Amo fotografia. De verdade. De gente então...

Luana disse...

Meus olhos estão cheios de lagrimas, Ju... Ja conheci crianças assim, alias, conheci famílias inteiras que viviam de uma maneira que para mim seria terrível, mas eles sorriam e se divertiam, e achavam a vida linda. Quando foi que resolvemos que muito era bom? quando foi que resolvemos que quantidade dava prazer? Vejo crianças xiliquentas porque "papai noel" não trouxe o Wii, computador, bla, bla, bla, quando outra criança brinca com uma boneca sem cabeça... ai...

Misturação - Ana Karla disse...

Ju, você é gente que faz por amor, por solidariedade, sem ver a quem.
Uma história que merece aplausos.
Essas emoções é que me faz ter sempre esperança no ser humano.
E com essa resenha a curiosidade fica aguçada para ver um livro como esse.
A partir do seu relato é que vou observar mais mesmo cada fotografia e a sua possível história.
Sou assim como você, em qualquer lugar que tiver brecha, me faço numa conversinha que normalmente se tornam incríveis.
Bom dia amiga.
Xeros

Bia Jubiart disse...

Oi Jussara! Tive o prazer de ter acesso as obras dele, sou fã do Salgado de carteirinha.

Pessoas, realidade e natureza... Ele te transporta como ninguém para o realismo de sua lente, do seu olhar.

Beijoooooooooooo

Juliana disse...

ju, criatura mais linda, que resenha é essa?

Posso levar pros meus alunos? Eles vão resenhar os livros que escolherem pra ler, e eu tô levando as resenhas de blogs literários. Posso? Posso? =)

Julio disse...

A coisa que eu mais gosto de fazer na vida é conversar..... com gente nova, velha, criança, meia idade, preto, branco, multicor, homem, mulher, transexual, gay, hetero, não me importa. Gosto é da convivência e das histórias que o outro tem pra contar sempre acrescentando alguma coisa em mim. Pra falar a verdade, se não tiver mais ninguém, converso comigo mesmo e em voz alta...loucura, fazer o que?
Acho o trabalho do Sebastião Salgado muito legal e até gosto de fotografias, mas não sou um apaixonado. Elas não conversam....

She disse...

Sebastião Salgado é expressivo demais através de suas lentes, adoro!
Beijo, beijo e parabéns pelo post!
She

Cissa Branco disse...

Ju,

Adorei seu coment lá no blog, realmente é terrível quando as pessoas usam um espaço tão especial para nós para destratar os demais.
Grandes beijos

Tina Lopes disse...

Jussara, vim conhecer teu espaço e adorei; assim como teus comentários lá no meu cantinho. Obrigada e muito prazer. ;)

Anônimo disse...

eu sou assim como vc...falo com todo mundo, em qualquer lugar! E com isso vou aprendenndo, vou crescendo e vou me distraindo.

Adorei o seu post. e continuo na campanha pro blog pessoal.

Os livros a gente tb pode ler, mas as suas historias so vc pode contar

Inaie

Glorinha L de Lion disse...

Ju, que post belíssimo! A estória das menininhas é emocionante mesmo. Quantas e quantos brincam por aí com bonequinhas sem cabeça, sonhando com o rostinho que tinham...a imaginação infantil é perfeita até nisso! lindo demais esse post. Já vi fotos do Sebastião Salgado, mas nunca tive nenhum de seus livros nas mãos, infelizmente. Brilhante de luz e ternura, o seu post, mostrando o ser humano raro que vc é, Beijão

Ju Ramalho disse...

Eu gosto muito do trabalho do Sebastião Salgado! Já fui em uma exposição das fotos dele, com o tema da Africa se não estou enganada e outra sobre Guerra faz tempo isso.

Acho que o trabalho dele nos leva a pensar e repensar sentimentos que ele capta com seus olhos e se expressam em forma d fotografias.

Eu sou além de pedagoga, socióloga e amo usar foto como trabalho de estudo.

Bjoo amadinha, adorei seu post, sempre tudo interessante e culto.

Mônica disse...

Ju, já estou de volta!!! Quanta saudade de tudo isso, estou adorando estar de volta.
Menina, que post maravilhoso! Também adoro gente, eita bicho brabo danado de bom!!!Conversar é meu maior e melhor passa tempo, fico até com o peito cansado de tanto falar.Fotografia de gente é curioso, pois nela estar refletido o instante imortalizado da alma e do corpo. E as fotos preto e branco são ainda mais especiais.
Beijos

Regina Rozenbaum disse...

Ju, amaaada!
Que beleza de post. E vou plagiar esse fotógrafo de visão especial: " Não sou a mesma depois que te leio"! Aqui, não me respondeu (email) se encontro aquele livro prá comprar ou se só sebo mesmo.
Beijuuss n.a.

Sheyla Xavier disse...

Jussara..
Adoro também conversar com todo mundo, inclusive sozinha!! rrs Seu post nos faz refletir e traduz seus sentimentos..lindo, perfeito! bjokas da prima!

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Nossa, esse livro é uma paixão que tenho! Sebastião Salgado é um dos melhores do mundo. Pq a capacidade que ele tem de contar uma história inteira em um retrato é incrível. só de ver as fotos parece que a gente enxerga a alma dos fotografados, dos lugares... um artista maravilhoso.

que linda indicação Jussara!
bom dia

Evandro Raiz Ribeiro disse...

Oi Jussara, você será sempre bem-vinda, obrigado por seu comentário em meu blog. Esse trabalho do Sebastião Salgado que você apresenta em seu blog é fantástico, é o tipo de obra que passo horas apreciando. De vez em quando vou em um clínico geral aqui perto de casa e na sala de espera tem alguns livros de fotografias. Um deles é uma coletânea de vários fotógrafos, o título em japonês é: crianças do Japão e mostra fotos entre 1920 e 1990. Outro livro que tem na sala de espera é de um fotógrafo americano que agora não me recordo o nome, o título do livro é: Americanos, e mostra o trabalho que o fotógrafo fez andando país á fora registrando a rotina das pessoas por onde passava. São livros muito interessantes e sempre ficava torcendo parque minha vez na consulta demorasse bastante para que pudesse ver o livro até o fim.
Um bom final de semana

Beth/Lilás disse...

Poxa, não tinha visto este post! Muito bom!
Eu tenho aqui em Petrópolis um livro com fotos em preto e branco deste maravilhoso fotógrafo. admiro-o muito e adorei saber mais dele por aqui.
bjs cariocas

Fatima Valeria disse...

Jussara! Agora vc tocou nas profundezas do meu coração! Utilizava as imagens de Sebastião Salgado nas minhas aulas de arte. É incrível como ele com sua poética visual, consegue tocar a todos, muitos identificavam-se com as obras. É uma longa estrada...acreditar que cultura pode ser acessível a todos!
Abraços

danbrazil disse...

Linda resenha! Adorei a história de Ilhéus (também estive por lá...). Deu a dimensão humana necessária para apreciar a obra de Sebastião Salgado.
Beijo!

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

ah, esse eu tinha lido e vou fazer um comentário extra rs. a arte dele é um tapa na cara do povo, que acha q pra tirar uma foto bonita e marcante precisa de um suuuuuuuuper equipamento. ele tirava as fotos com câmeras boas, mas totalmente simples. era o mestre em captar sentimentos, não um teorizador de botões
bjs