quinta-feira, 7 de julho de 2011

Rolando pelas ruas da memória

Bola da Vez, Fábio Brazil

O Desafio Literário desse mês é sobre novos autores, ao contrário dos outros meses vou postar quatro livros de novos autores, todos os autores são brasileiros, cada um com uma trajetória  diferente, mas todos com livros que me chamaram a atenção. É difícil ser autor nesse país, mais ainda quando você está fora da temática bruxa, vampiro e anjos, além dos inúmeros autores que publicam na blogosfera e nem sempre estão preparados para o papel e que inundam o mercado, fazendo que o leitor fique perdido e os autores nacionais estejam em baixa.
Bola da Vez, parte de um assassinato para falar de um bairro e seus moradores, da cidade de São Paulo e suas histórias, um bairro que sequer existe oficialmente: o Bixiga! Oficialmente se chama Bela Vista.  O assassinato aqui não é tão importante assim, como também a investigação é só uma das linhas que amarram o livro. Não é um romance e um livro de contos! 29 contos para ser mais precisa, todos os títulos são nomes próprios, um achado precioso, os nome são próprios mas nem sempre se referem a uma pessoa e nem sempre o dono do nome é o melhor personagem do conto. O tempo dos contos é curto, três semanas, mas não qualquer três semanas, as três semanas entre o final da Copa de 1994 (aquela “sem emoção e sem gol” segundo o autor) e a festa religiosa de Nossa Senhora de Achiropita, é o tempo exato para contar algumas histórias do bairro, da cidade,  de seus personagens, suas mudanças, sua boêmia e suas ruas.
Para quem é paulistano basta ler Bixiga e todo um mundo de emoções e lembranças já vem na memória, para os que são de fora vão sentir um gostinho desse bairro tão característico da megalópole que é São Paulo e com certeza vão querer conhecê-lo apesar de muitos moradores dizerem que  o “Bixiga é um estado de espírito”.  Eu tenho certeza que cada cidade tem um bairro que faz parte da memória afetiva de seus moradores, é aquele bairro antigo cheio de comadres, padeiros, açougueiros, velhos e jovens que se conhecem, com uma igreja conhecida e uma feira qualquer bem frequentada, o bom é quando esse bairro encontra um autor apaixonado por ele e não deixa esse estado de espírito desaparecer.
Esse livro, além de bem escrito e gostoso de ler, tem uma forte carga afetiva para mim. O autor é meu irmão e afilhado, o editor é outro irmão (como já disse algumas vezes, tenho muitos irmãos) e com esse livro  editado em 2009, ambos realizavam um sonho. Um sonho que deu frutos, o Fábio está  em fase de acabamento do seu segundo romance e generosamente colocou seus passos na construção do mesmo, num blog criado especialmente para isso. Vale a pena uma visita, pois lá está bem demonstrado como cada linha demanda horas de pesquisa e quanto para o autor isso é enriquecedor e divertido. O editor, Julio, já publicou outros livros de lá para cá e certamente está feliz e  muitos outros ainda virão. Só um aviso aos navegantes vai ser difícil ele publicar um livro meu, vocês sabem que eu já desisti dessa carreira, rs
“O bolo este ano teve 440 metros. 1994, São Paulo fez 440 anos e o bolo tinha 440 metros, entendeu?” Faustino
SOBRE O AUTOR
Fábio Brazil (1964 -   ) -  professor, poeta e escritor paulistano. Estreou em literatura com Bola da Vez, após ser contemplado com o ProAC da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo,  publicado pela Editora Digitexto. Contato para adquirir o livro aqui.

18 comentários:

mEU mundiNho LOUcO disse...

Estou curiosa para ler esse livro......

Beijosssssss

Anônimo disse...

querida, to chegando na quarta feira!!! Nao se esqueca de mim, por favor.... :-)

Vc mora em sampa?

inaie

Misturação - Ana Karla disse...

Esse post está especialíssimo!!!
Gosto demais do seu ponto de vista e resenha, pois consigo entender bem e sempre aprendo algo.

Obrigada Jussara, por estar sempre comigo, viu?
Tudo de bom para você e seus manos.

Xeross

Luci Cardinelli disse...

Morei em Sampa por 4 anos e o Bexiga marcou muito :)
Concordo com vc, os autores nacionais precisam ser mais valorizados e divulgados.

beijos e ótimo final de semana

Fábio Brazil disse...

Mana Madrinha, gostoso estar por aqui ao lado de gente tão afamada. Não há muito o que dizer sobre as dificuldades para os novos autores, elas são tão ou mais velhas que os velhos autores, o jeito é ir publicando e deixando rastro por aí.Sua resenha, bem gostosa, é um rastro e um presente para mim. Afinal, não seria o sonho de todo autor que suas palavras se tornem vagabundas? Outros, não sei, mas eu atingi o nível das Palavras Vagabundas. Obrigado, Fábio.

Daniel Brazil disse...

O melhor policial paulista deste século. Engenhoso, bem escrito, original. E vem mais por aí!

Julio disse...

Alguns tem o dom da palavra escrita. O Fábio é um deles. Outros, como nós, só temos o dom de lê-las. Sorte dos que (como nós, de novo) tem além dos livros, a oportunidade de ler o blog e trocar e-mails com quem possui esse dom. Agora, desculpe, eu eu não vou aguentar..... Como editor, já estou lendo o novo livro dele. COM DIREITO A DAR PALPITES!!!!..hahaha. Sorry periferia!

Lufe disse...

Jussara,

È claro que vou ler.
Alem da sua indicação, que pra mim é de grande importância, fui dar uma olhadinha no blog Gota de Sangue onde vi pela primeira vez toda a epopéia da criação de um romance.
Te confesso que fiquei maravilhado com a “trabalheira” toda. Que riqueza!
É um olhar abrangente sobre o cenário e personagens, colocando-os num contexto de época, respeitando a historia e os locais.
Utilizar a poesia de Mario de Andrade introduzindo-a nas falas, no noticiário e etc, é genial!
Parbens ao autor.
Já gostei e indicarei sem ter lido.

bjo

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Jussara, é uma emoção ler o livro escrito por alguém que temos carinho né. que bacana essa conquista do Fábio, porque não é fácil publicar um livro, escolher o caminho das boas letras.

E o livro, parece ótimo!
bom dia

Vivi disse...

Dica anotada...uma ligação afetiva entre leitor, autor e texto lido não dá para ignorar. Sem dúvida, aqui no Brasil, pouco conhecemos nossos autores; especialmente aqueles que não se encaixam na literatura dita de entretenimento. Bjs

Macá disse...

Jussara
Tirando os sentimentos familiares: o livro é bom mesmo, mas o Bola da Vez de agora vai ser o Gota de Sangue. Só a criação que está sendo mostrada através do blog já é uma maravilha.
bjs

Celina Dutra disse...

Jussara,
Como você escreve de jeito gostoso de ler. Sua resenha despertou vontade de ler o livro do Fábio. Sucesso para ele!

Girassóis nos seus dias.

Beijo

Lúcia Soares disse...

Jussara, deve ser bom demais recomendar um trabalho de um irmão. E você, tenho certeza, falou com conhecimento, não puxou "a brasa pra sua sardinha". Sei bem da leitora voraz que vc é, e como escreve bem as resenhas, enfim, você é mesmo uma conhecedora da arte de escrever.
Fiquei realmente curiosa para ler o livro. Encontro-o em qualquer livraria? Se não, manda um endereço para que eu o compre? Tenho certeza de que vou gostar.
Beijo!

Fatima Valeria disse...

Ôrra meu!!!! Nada mais paulistano que o Bixiga!Lá a gente encontra gente de todos os cantos de Sampa, mistura total! Tudo é especial, e isso confere seu charme. Agora, Moóca é Moóca, até o jeito de falar cantado desse bairro poderá ser tombado rsrsr. Ai que saudades! Em uma cidade tão imensa como SP, a identidade de um lugar é tudo de bom!!!A maior força para os jovens autores, façam a história de nossa literatura. Abraços

Allan Robert P. J. disse...

Uma das coisas que me incomoda em morar na Itália não é o fato de perder novidades como essa. O que me chateia realmente são os Correios Italianos. Livros e mais livros comprados pela internet jamais foram entregues. Desisti. Não aceito nem de presente, pois o carteiro não entrega nem aquele. Quando voltar ao Brasil vou voltar com uma mala cheia e pesada.
[Anotei e agradeço a dica de leitura]

APPedrosa disse...

Deu vontade de ler. E tenho vontade também de escrever um livro, mas não achei ainda a inspiração. Procura-se...

bjs

Edu Almeida disse...

Oi, Jussara, obrigado pelo comentário no www.artefazparte.com. É um prazer conhecer seu blog também. Me fez perceber que ainda tenho muita leitura pela frente!

Glorinha L de Lion disse...

Uai gente, tenho o livro e não sabia que era teu irmão e irmão do Júlio...a danadinha da Macá não revelou os detalhes...rsrs Vou ler ele todo (como te disse, só li os dois primeiros contos... e tive que largar por causa dos meus livros...))assim que terminar o que estou lendo agora. Ótima resenha...sempre amei o Bixiga! beijos,