quarta-feira, 30 de março de 2011

Goiás aí vou eu!

Terra Prometida, Joan Lowell


Esse livro eu tenho certeza que só eu li, talvez um dos meus irmãos também. Era um dos livros que minha mãe mais gostava, o volume que eu tenho é o dela. É a primeira edição de 1957 e provavelmente quando ela o leu metade dos meus irmãos não eram nem projetos. Conta a história de Joan Lowell e seu marido o Capitão Bowen, dois desbravadores, dois pioneiros que escolheram o Brasil para viver. Mas não qualquer Brasil, escolheram o sertão de Goiás, um lugar tão longínquo e desconhecido que nem mapa tinha, em 1937 Brasília nem sequer era um sonho. Em troca de terras para plantar eles abriram uma estrada no meio do nada, com pá, picareta, serra e 32 homens, que como a autora conta, eles não perguntaram procedência e havia entre eles alguns capangas procurados por assassinatos.
O valor de Terra Prometida está em como Joan descreve os usos e costumes do sertanejo goiano, ela aprende a fazer casa de barro e estrume, sobre as plantas medicinais e comestíveis. Tudo tão diferente de Nova York! Ela pouco ou quase nunca compara seus costumes com os matutos que encontra, pelo ao contrário está sempre agradecida pelo que eles ensinam a ela. Engraçado que ela sempre se sente diminuída frente a sabedoria deles, numa disputa como prender seu homem com algumas mulheres ela só perde, não sabe fiar nem tecer, mas sabe ler e ninguém dá importância, não sabe reconhecer plantas para remédio, oferece sementes de tomates e alface, e após elas verem as figuras no envelope chegam a conclusão que um campo de alface seria ótimo para vacas! Como elas estão acampadas em volta do acampamento da estrada perguntam a ela quais plantas ela usa para colorir as roupas. Como assim? Elas dão uma aula que ela engole à seco. Por fim uma velha senhora pergunta: “Como é que pode prender seu homem se não é útil?” Com isso ela chega a conclusão que tudo que havia aprendido na civilização não servia para nada no sertão.

Joan ainda atriz

Depois de três anos de muito trabalho e com certeza de sofrimento, que ela deixa fora do livro, são procurados por *Bernardo Sayão. Ele tinha sido encarregado para fazer demarcações nas terras devolutas da Floresta de São Patrício, para fundar uma colônia agrícola, por Getúlio Vargas, a “Marcha para o Oeste”. Chegou a eles pelo simples fato que eram os únicos com um conhecimento razoável da região. Como nem tudo são flores e risos, eles foram enganados por quem tinha prometido terras ao final da estrada e ainda por cima venderam a outros após o decreto federal, deixando-os com enormes dívidas nem mesmo o cheque mandado para cobrir as despesas firmadas em contrato tinha fundos! Bernardo Sayão compra a causa deles e consegue que eles finalmente tenham suas terras.

Joan Lowell e Leek Bowen são responsáveis pela fundação de algumas cidades, por exemplo Rialma e Castrinópolis, essas cidades foram fundadas por que havia ali uma estrada, a estrada deles. Viram Ceres sair de floresta fechada para se tornar um centro agrícola. Como estavam há anos no Planalto Central conheceram Brasília antes mesmo dela existir. Moraram anos em Anápolis, onde mantiam uma chácara. Ambos estão enterrados ao lado de Bernardo Sayão no Cemitério Campo da Esperança em Brasília, cemitério demarcado por Bernardo, onde foi o primeiro a ser enterrado em 1959.

Joan - não localizei a data da foto

Sou curiosa, queria saber mais sobre o casal, eles são importantes para o Planalto Central, não encontrei nada. Nem mesmo uma referência a uma biografia dele ou dela. De Joan encontrei um pouco mais (em inglês), ela antes de conhecer o Capitão foi atriz e fez parte do elenco de Em busca do Ouro de Charles Chaplin e ainda foi jornalista em Nova York . Do Capitão Leek Bowen absolutamente nada a não ser que foi Capitão de Navio por muitos anos na rota da América do Sul e essa informação está escrita no livro. Se essa história tivesse acontecido nos EUA já teriam feito filme, mini-série, peça de teatro, teriam estatuas em praça pública e com certeza um pequeno museu, como a história aconteceu em Goiás se perdeu nas brumas do tempo apesar deles serem americanos.
Leitores que morem em Goiás, seja ou não nas cidades citadas, que puderem me dar referências sobre o casal eu ficarei imensamente feliz, porque continuo curiosa.  Aliás me corrijam se escrevi alguma besteira. Não sei se eles tiveram filhos. Não sei se a fazenda “O Ancoradouro” ainda existe. Não sei nada que aconteceu na vida deles após o final do livro que foi em 1956. Roberta, do E isso é glamour, me dá uma ajuda, vai!
“Mais vale errar se arrebentando do que poupar-se para nada.” Darcy Ribeiro

SOBRE O AUTOR
Joan Lowell Bowen (1902-1967) – atriz e jornalista americana, conta sua história de desbravamento nos sertões de Goiás em Terra Prometida, publicado em 1957 pelas Edições Melhoramentos.

* Bernardo Sayão (1901-1959) - engenheiro agrônomo mineiro que desbravou o Planalto Central, demarcou colônias agrícolas, o Distrito Federal e a estrada Belém-Brasília.

32 comentários:

Guará Matos disse...

Nunca li! Mas muitas pessoas que conheço já me disseram qe é maneiríssimo! E se você apresenta-o e comenta é porque o "bicho" é bom.

Bj.

M. disse...

Não conheci de todo. E pelo o que dizes nem deve ter edição em Portugal...Mas vou procurar:)

Roberta M. disse...

Gente, que hiper mega interessante!! Vou pesquisar, pois amiga, nao sou do Goiás, só moro aqui há poucos anos, mas agora, atiçou por demais minha curiosidade, vou conversar com os minhocas daqui!! Assim que e se descobrir algo, te conto!! Ah, comecei a ler Os homens que nao amavam mulheres, o primeiro da trilogia que vc falou, to gostando!!! beijocasss

Rosa Lopes disse...

Mas imagine vc, um povo tão carente de heróis e com tanta história perdida. Eu por exemplo nunca ouvi falar deles, nem lembro ter estudado alguma coisa na escola sobre o povoamento do centro do país, é como se tudo só tivesse vida a partir de Brasília.
Bj

Rogério Pereira disse...

Vivesse ou passasse eu por esses lugares e faria tudo para te dar noticias.

Que bem fazes esse trabalho de introduzir o gosto pela leitura. Vou tentar saber se há edição em Portugal... Boa?

BsVoxx disse...

Jussara,

Sou de Brasilia, nunca tinha ouvido falar desta historia tão magnifica ... Falta de Apreço dos brasileiros pela historia é uma lastima ...

Ri muito pq minha familia provem de camponeses de Petropolis que la plantavam verduras e morangos ... chegamos em 1958. Na década de 90 compramos um pequeno sitio, até hoje, nunca consigos convencer os caseiros e caseiras goianos a manter a horta com alface ... deve ser pq lá no fundo pensem que seja bom mesmo para gado.
Risos.

Lufe disse...

Jussara,
você tem o dom de nos despertar interesses...
Gosto muito destas historias, destes aventureiros desbravadores.
Li outro dia a biografia do Brigadeiro Montenegro, o fundador do Correio Aereo Nacional.
Muito interessante. Visionario.
Vamos a caça da "terra Prometida"

Tem citações sobre a Joan em?

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20110327/not_imp697791,0.php

http://en.wikipedia.org/wiki/Joan_Lowell

bjos

Luci Cardinelli disse...

Realmente nunca ouvi falar, mas seu post aguçou minha curiosidade.

beijo e ótimo dia :)

Deusa disse...

Oi linda
Sou matutinha,matutinha...kkkkk,mas não conheço a história deles,embora coneç todas estas cidades.Quando for a Goiás visitar minha mãe e irmãos,vou passar por Ceres e Rialma,quem sabe consigo informações mais detalhadas.
Linda,eu com certeza vou mudar Maitê de Escolinha,estou procurando com calma outra,ja que fiquei com medo de pegar uma que tenha o mesmo problema,moro aqui a pouco tempo,não sei quais são boas,mas ja ando perguntando e esperando meu marido chegar de viagem.Já estou mais tranquila com a mudança de horário,pois a turminha parece bem menor e mais calma.
O problema que enfrentei agora foi de educação mesmo,as professoras não estão dando conta de quatro crianças problematicas,todas na mesma sala,como os pais não dão jeito e a escola não quer perder alunos,isso não tem fim,mas comigo já foram umas tres que reclaram,duas mudaram de horário e duas tiraram as crianças.A escolinha e Objetivo,agora vê,uma escola que antes era tão rigorosa.
Ainda não existe nesta turminha de 5/6 anos punições mais severas como suspenção.Eu só sei que assim que marido chegar e eu estiver segura de uma escolinha(que seja rapido)mudo minha filha.
Beijinhos
Deusa
vasinhos coloridos.
Obs:Estou lendo um livro maravilhoso...A História de uma Alma,o livro que Santa Terezinha do Menino Jesus escreveu.Vou até depois citar um trechinho onde ela fala sobre Bulling,pois ela também sofreu com as amigas de escola.
Bjs
Deusa
vasinhos coloridos

Glória Maria Vieira disse...

Que massa, Juh. Como sempre, não li ainda. AUHSUAHSUHAUHSAUHSAS Sertão tem sempre esse quê de emoção...
E ah, a mães andaram dominando nossos pensamentos, né!? (...)

Beijo enorme, sua linda!

palavrasdeumnovomundo disse...

Nossa que interessante, fiquei com água na boca para ler o livro. Quanto a informações não tenho, mas se descobrir qualquer coisa te informarei imediatamente.
Jussara querida, queria agradecer suas visitas ao blog e as palavras deixadas lá hoje. É muito bom ter parceiros assim, que estão sempre presentes, eu é que ando em dívida por falta de tempo.
Ah...visitei o blog que me indicou da Graúna e já estou seguindo, amei!
Obrigada de coração, beijos e fique em paz!
Rosa

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

que dica bacana! será que eu acho esse bichinho pra ler? vou procurar! gosto muito dessas histórias de desbravadores, gente corajosa, que se encanta por novos mundos.
E hj, Goiás... nada de sertão e um monte de cidades grandes, bonitas... é bem interessante o contraste né.

vou ler sim
bjs

Inaie disse...

Jussara, eu gostaria de ser mais uma a ler o livro. Seus relatos me fascinam, me dao vontade de ler tambem. Mas eu fico aqui, lendo o que consigo encontrar!!

Quanto a Lili, ela voltou pra casa de carona no taxi de uma amiga. GAlinha choca como eu sou, fiquei ligando pra deus e o mundo ate alguem localiza-la pra mim, a uma da manha...

Carolina disse...

Muito bacana sua idéia de postar sobre suas leituras... Sempre voltarei aqui para obter uma boa recomendação!

Obrigada pelo cometário no meu texto do blog Meninas Improváveis!

Um beijo!

Paula Li disse...

Oi Ju, como esta? Adoro suas resenhas, dá um gostinho de quero mais.
Ainda não comprei nenhum livro indicado por você, mas isso ainda irá acontecer.
Bom final de semana,
bjs

Nilce disse...

Oi Jussara

Fiquei curiosa pelo livro também. São histórias de nossa história e me interessa muito.
Mas nunca tinha ouvido falar deste. Vou procurar.

Bjs no coração!

Nilce

Macá disse...

Ju
Não li, não conhecia a história e até perguntei ao meu marido. Ele não leu também. Mas a história parece ser muito interessante.
beijos

Christine disse...

Oi Ju... quanta novidade!!! ufa! :)
Estava no Brasil e cheguei nessa semana, voltando para o blog e pondo a leitura dos meus amigos em dia! Trouxe muitos livros inclusive mais dois da Pearl Burck. Vc precisa ler. "A boa terra" é o que estou lendo agora.
Beijo grande.

meumundoseuolho disse...

oii, http://www.meumundoseuolho.blogspot.com/ visite!

Cintia Branco disse...

Ju,

Que maravilha essa obra, agora também fiquei curiosa, será que não tem alguém do arquivo histórico de Goiás que possa dar uma luz, olhar os documentos e ver ser encontra algo?
Lamentável nossa história se perder assim.
Grandes Beijos e ótima semana

Negação de Irene disse...

Infelizmente o péssimo hábito que nós brasileiro temos de não conservar nossa memória faz com que personalidades como essas sejam perdidas no tempo e no espaço...

Vida de uma ex Drogada disse...

Oi Jussara,
Vim retribuir a visita, agradecer tuas palavras.
Teu blog é muito bom, muito informativo.
Vou precisar de mais tempo pra ler... me atualizar (palavra de ordem no momento..rs) teu espaço veio a calhar.
Obrigada, beijos

Kézia Lôbo disse...

TInha visto esse livro em algum lugar, mas o que me chamou a atenção foi o titulo, mas não sabia do que se tratava, com essa informação esclarecedora, fiquei bem curiosa a respeito, e quero muito ler!

Bruno Dezinho disse...

É tão bom ter uma raridade dessas em nossas mãos, né?

bRu.

Carla Farinazzi disse...

Oi Jussara!

Fiquei muito interessada nesse livro, eu adoro histórias antigas, de "como tudo começou". Gosto de saber as origens das cidades, das pessoas, a história.
Parabéns pela dica.

Beijos

Carla

Mayara disse...

Ai Jussara o livro parece incrível, pena que eu não achei nem em sebo nem na net (tá, isso eu não esperava mesmo), queria ser uma das únicas a ler tbm rsrs
Muito obrigada pelas palavras no meu blog!
Um abraço e bom finzinho de semana.

MAURICIO RODOVALHO disse...

Ola!
Esta é uma velha história bastante conhecida pelos que vivem em Anápolis. Os doutores da UnB Armando Bulcão e a anapolina Tânia Montoro acabam de lançar no I Anápolis Festival de Cinema o documentário " Hollywood no Cerrado". Por causa do livro de Lowell, vieram também morar em Anapolis as atrizes Janet Gaynor e Mary Martin, com seus maridos. O filme irá participar do Festival de Cannes este ano.
Festival de cinema: http://www.anapolis.go.gov.br/anapolisfestivaldecinema/
Sinopse do documentario: http://blogs.maiscomunidade.com/fbcb/2010/11/22/hollywood-no-cerrado/
http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/diversao-e-arte/2011/04/13/interna_diversao_arte,247560/festival-traz-documentario-sobre-estrelas-americanas-no-planalto-central.shtml
Vimos o filme em avant première nesta terça 12 de abril e ficou muito bom.
Abraço!

Rogério disse...

Oi, Jussara, vim agradecer e retribuir a visita. Moro em Goiânia desde 1981 e sou casado com uma goiana, com parte da família residindo em Anápolis. Confesso minha total ignorância acerca de Joan Lowell, mas creio que poderei obter informações junto ao arquivo histórico de Goiás ou mesmo por meio de consulta à prefeitura de Anápolis. Meu cunhado conhece o prefeito pessoalmente, e talvez também possa ajudar. Assim que tiver algo de concreto, lhe encaminho por e-mail, ok? Um grande abraço.

eduardo yázigi disse...

Esqueci de assinar o cometário de Jane Lowell e a teori de Gaia. Meu nome é
Eduardo Yázigi.

Mario R Filho disse...

Jussara,
Li o livro em 1957 quando ainda residia em SP.
Tenho um exemplar do livro e sei que existe um original em inglês mas não consegui localizar qualquer vestígio.
Conheci Joan e o Capitão nos anos 60, não sei mais precisar a data correta.
O Capitão morreu atropelado em Brasilia. Sempre Brasilia.

Geraldo Garcia disse...

Li o livro de Joan Lowell Bowen no início dos anos 60 quando me dediquei aos escritores goianos, pois Joan Lowell era uma goiana de coração e alma.
Nessa mesma ocasião li Elos da mesma corrente, de autoria da escritora Rosarita Fleury, e O Tronco (que posteriormente virou filme), e Ermos e Gerais, do meu ex-professor de História Bernardo Élis Fleury de Campos Curado.

leekbowen disse...

Não o li mais gostaria muito de ter lido.
Eu tive uns anos de convivência com esta artista hollywoodiana uma cabeça muito doida para aquela época ela dizia que nós estávamos atrasados uns 20 anos do USA.
Hoje vejo o que ela queria dizer nossas atitudes de hoje no que se diz da preservação ambiental que já na década de 50 ela já brigava e brigava muito.