domingo, 20 de fevereiro de 2011

Menino feliz

O Menino Maluquinho, Ziraldo

Ele tem o olho maior que a barriga, fogo no rabo, macaquinhos no sótão, nunca fica quieto, tira zero em comportamento mas quando resolve estudar só tem 10. Ele não é maluquinho é um menino feliz.
Esse menino tão amado fez no ano passado 30 anos, mas nunca deixou de ser maluquinho, foi um menino de sorte pois nasceu quando ainda não tinham inventado agendas  de compromissos para crianças, então ele podia soltar pipa na rua, aliás ele fazia suas próprias pipas, andava de bicicleta pelo bairro com os amigos e aprendia que amizades se constroem no dia-a-dia e não porque lá na frente possa haver algum interesse, todas as crianças do bairro estudavam na mesma escola as que iam ser doutor, ou comerciário,  as que iam  ser mecânicos ou manicures, mas as amizades construídas ficavam para sempre.
Como ainda não tinham inventado sabonetes germicidas, nem a mania de limpeza ou excesso de higiene, o menino maluquinho, como saudável que era, andava descalço, se escalavrava no asfalto, rasgava os fundilhos, dava topada de arrancar o tampão do dedão e bastava água, sabão e  um  remédio vermelhinho (de saudosa lembrança) quando a coisa era feia uma bandagem e um esparadrapo e lá voltava  ele para o quintal. Ora ficava  triste e chorava, ora resolvia brincar sozinho, ora lia gibis e ora inventava de ser um herói do cinema,  ele é bem assim ... maluquinho.
O melhor de ser maluquinho é por que ele tinha um tempão de sobra, para ler, para jogar, para colecionar figurinha e trocar com os amigos, correr por aí... mas o tempo não espera,  ele cresce e descobre que mais que ser maluquinho, ele foi feliz. Todo menino(a) devia ter uma infância maluquinha e sadia, mas para isso é preciso ter pais maluquinhos, que tiveram infâncias maluquinhas ou pelo menos se lembrassem de como é bom ser maluquinho.
Esse post é dedicado a um menino maluquinho, o filho da Cintia, não o conheço pessoalmente, mas sempre penso nele assim, vejam só: ele tem bruxinha do dente em vez de fada, vai ao dentista e descobre que ele usa luz ultra borboleta, tem certeza que os reis do presépio são Reis Magros, conversa com Papai Noel e consola os pais dizendo que o mesmo pode resolver o problema de seu presente, cria um gafanhoto na bomboniére da mãe e adora um banho de caneca no quintal. Não tenho razão?

“Quem viveu assim sabe. E quem não viveu... que pena”. Carlos Drummond de Andrade

SOBRE O AUTOR

Ziraldo Alves Pinto (1932-   ) -  mineiro de Caratinga, chargista, desenhista e atualmente um dos mais conhecidos e aclamados escritores infantis o Brasil. Publicou O Menino Maluquinho em 1980,  hoje  em  sua 100ª. edição.

26 comentários:

Lufe disse...

Resumo da ópera....
O Maluquinho simplesmente é uma criança feliz!
Quando olho os meninos de hoje, de nossas grandes cidades, me torno saudosista da infancia que tive.
Eu fui um menino maluquinho!
O Ziraldo teve a capacidade de traduzir esta felicidade com enorme simplicidade.
Obrigado por me trazer de volta essa lembrança...

bjos

Borboletas nos Olhos disse...

Eu fui uma menina maluquinha. Eu tenho meu próprio menino maluquinho agora. E achei fofo demais o filho da Cintia, um \o/ pra ele!

Macá disse...

Ah! eu fui uma garota maluquinha. Fiz tudo isso lá no interior. Meu marido também, aqui na cidade grande. E fomos mesmo muito felizes.
Meu filho já não pode fazer isso. Brincar na rua? Andar de bicicleta? Nem pensar!
Mas teve as brincadeiras da sua época. Acho que foi uma criança feliz também.
Que boa lembrança.
beijos

Cintia Branco disse...

Ju,

Estou aqui sem saber o que dizer, já li várias vezes, me emociono, mas as palavras não vem.
Não sei o que escrever, tamanha emoção. Muito obrigada, do fundo do coração!
Grandes beijos e depois de me acalmar, volto novamente

Vanessa disse...

Sempre, sempre mesmo, fui fã do Menino Maluquinho. Qdo fiquei grávida , a primeira coisa que pensei era como eu queria que meu filho fosse parecido com o Maluquinho. Isso mostra o impacto que a literatura tem em nossas vidas.

beijos

Rogério Pereira disse...

Sabe?
Eu acho que cada brasileiro é mesmo...maluquinho (neste mesmo sentido, de feliz e descontraído). Português cresceu cinzento...

Guará Matos disse...

Criança feliz é assim.
Corre atrás da vida.

Bjs.

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

(oi, eu postando de novo, ficou incompleto meu comentário rs)
eu tinha esse livro... li tantas vezes. e tive uma infância parecida, acho que fui a última geração paulistana que brincava na rua, subia em árvore, era feliz com pouco...

a Cintia merece a homenagem, pq ela passa esses valores para o filho dela. A gente vê que o menino é muito bem criado, uma criança feliz, que tem liberdade, que brinca, é muito amado.
Ela merece esse carinho, gosto muito dela.

bjs e boa semana

Angela disse...

Que legal!! Como passa o tempo!!! Ele virou um adulto maluquinho feliz!!! Adorei o post, fez-me recordá-lo!! Beijos e uma ótima semana.

Cintia Branco disse...

Ju,

Voltei, mas ainda não sei o que dizer, rs.
Li para o Felipe ontem a noite o post e ele ficou se achando, rs, ficou muito feliz e disse que não faz nada além de brincar e ser feliz, então, definitivamente, o menino maluquinho é um menino feliz.
E ele disse mais, que não tem como não ser maluquinho com uma mãe como a dele, eu mereço!
Ontem chamei ele para ver um filme e ele, bem deitado no pufe, disse que não podia porque estava lendo. Detalhe, ele não sabe ler ainda, mas ficou certa de 1 hora lá, "lendo" o livro. Depois de um tempo fui até ver se ele estava com febre, porque nunca pára quieto, mas que nada, estava viajando na leitura.
Mais uma vez, muito obrigada, do fundo do coração por esta homenagem tão bela, no post de hoje a noite falarei sobre ela, rs.
Beijos

Celia na Italia disse...

Este livro me faz pensar em qto estamos distantes desta "filosofia de vida", que pena mas tb que bom lembrar e tentar fazer com que os nossos Pimpolhos tenham um pouco deste universo de fantasia.
Ótima lembrança!

K disse...

Aqui é o K, da Nira.
Estou escrevendo pra avisar que ela tá internada. Ela perdeu muito sangue e chegou ao hospital em choque, com hemorragia interna causada por perfuração na parede do útero. Doei sangue pra ela, mas ela ainda está inconsciente. Pelo amor de Deus rezem por ela. Estou desesperado
Kláudio.

Mayara disse...

Ai, me dá uma tristeza pensar que meus filhos não terão nada de maluquinhos, mesmo que eu tente incentivar, acho que os tempos andam mudando tanto, que é capaz dele com três anos me contar quantos tipos de fungos e bactérias podemos pegar ao colocar o pé no chão. e eu com essa mania de andar descalça e ir parar com os pés nas nuvens...

A. Marcos disse...

Melhor que ser criança é poder sê-lo livremente.

Mabia Barros disse...

Pois este texto, seu, deveria ser entregue em cartilha às mães e pais na maternidade. Esquecem que ser criança é também ter tempo de sonhar.

Bjs

Lívia disse...

Muito bem lembrado!

Esse maluquinho marcou minha vida. haha

beijinho*

yanne passos disse...

Querida Jussara,

Adoro esse menino maluquinho e pra quem é mãe de menino como eu, a identificação com o personagem do Ziraldo é imediata e muito carinhosa. O meu maluquinho tem 12 anos e percebo que ele é muito mais feliz quando está na casa dos meus pais, de férias, lá na serra, do que aqui, na cidade grande. Bela homenagem ao filho da Cintia , eu adoro as artes do Felipe.
Beijos

Adelaide Araçai disse...

Amiga, eu sou apaixonada pelas obras do Ziraldo, embora o tenha lido já na fase adulta, eu fui uma menina muiuto maluquinha....rsrs.
Quanto a minha mudança, hoje 13º dia, de organização, decidi faxinar de verdade, então depois da academia, fiz lardemia (foi um esfrega, joga agua e seca....) que tô arriada....kkkk Perdi mais caloria do que na malhação....kkk Eu adoro mudar o que eu não gosto é dessa faze de arranjar lugar para tudo...e ainda descobrir onde está tudo...mas estou me virando bem já estou conseguindo atyualizar minhas visitas.
Tenha uma ótima semana
Abraços

Edlena Franklin disse...

Jussara:
Meu mano, o segundo mais velho depois de mim, ganhou esse livro aos oito anos. Nem preciso dizer que devorei, já com todo o apetite que tinha por Ziraldo, desde a Turma do Pererê e das charges do Pasquim, fora as historietas da Supermãe na revista Cláudia. O menino maluquinho de todos nós é a liberdade, a espontaneidade, a curiosidade e a doçura da infância...
Beijos

Renata C., UMA ESPOSA EXPATRIADA disse...

Delicia de text! AMEI, claro!
Como amo Ziraldo tb!
Bjs!

Carla Farinazzi disse...

Oi Jussara!

Post realmente feliz! Você tem realmente razão, show de bola esse personagem do Ziraldo! Fez sucesso e acompanhou toda uma geração! Adorei o filho da Cintia, mesmo sem conhecê-lo, rsrrsrs

Beijos, querida

Carla

Juliana Galante Magalhães disse...

Oi Jussara

eu sou completamente apaixonada por esse livro! Saudade de conversar com você, preciso mesmo te mandar um email.
Beijo no coração
Juju

Juliana Galante Magalhães disse...

Ah! O danado tem a minha idade...mas, sei lá porque eu nasci com agenda e brincar na rua era coisa inimaginavel!

Lívia Inácio disse...

Tenha um bom restinho de semana! =)

K disse...

vim dar notícias do estado da Nira
http://noticiasdanira.blogspot.com/