terça-feira, 9 de novembro de 2010

O Samurai do cinema


RELATO AUTOBIOGRÁFICO, Akira Kurosawa


Uma biografia ou autobiografia têm alguns atrativos para quem lê: conhecer melhor o biografado ou  conhecer melhor sua obra. O Relato Autobiográfico de Akira Kurosawa tem todos esses atrativos e mais um, a descrição da vida japonesa antes da Segunda Grande Guerra, principalmente a vida de Tókio. Kurosawa foi um grande mestre do cinema assim seu relato é meticuloso, parece que estamos vendo um dos seus filmes, as descrições da escola, o grande terremoto que praticamente acabou Tókio, a guerra e o pós-guerra e as mudanças que o encontro com o Ocidente trouxe para a vida japonesa.Tudo numa narrativa delicada e, a meu ver, de um ponto de vista bem budista.
Ele era  descendente de uma família de samurais e teve a educação mais formal possível de sua posição social, teatro, artes marciais, música e caligrafia, tudo com muito rigor pois era filho de um professor.   Este lado formal de sua educação o tornou um diretor de cinema rigoroso , culto e maravilhoso. Mesmo que você não conheça tanto sua obra cinematográfica  vale a pena ler esse relato,  se conhece alguns de seus filmes vai ter vontade de rever, ele dirigiu 32 filmes e alguns deles  ele descreve como os fez, inclusive estão lá também seus belíssimos desenhos, por si só outra obra de arte. Ele queria mesmo ser artista plástico mas foi reprovado ao tentar entrar na Escola de Belas-Artes.
Seu filme mais famoso no Ocidente é  Os Sete Samurais, considerado entre os estudiosos uma de suas obras-primas, foi refilmado nos EUA como Sete Homens e um Destino, de John Sturges. Recebeu inúmeros prêmios em festivais de cinema como Cannes , Veneza e outros,  foi ganhador de um Oscar pelo conjunto da obra em 1990.
Kurosawa  foi o mais reverenciado cineasta japonês no Ocidente, mas não era reconhecido dentro de seu próprio país, era considerado um cineasta de segunda categoria. Chegou inclusive a tentar suicídio, quando não conseguiu juntar dinheiro para realizar um de seus filmes, quando já está com mais de 60 anos, como um homem delicado que era, não fala sobre isso nesse Relato Autobiográfico que escreveu quando estava com 71 anos, morreu aos 88 anos. Seu ostracismo termina quando jovens cineastas norte-americanos resolveram tomar a iniciativa de financiá-lo, por considerá-lo um mestre, são eles  Steven Spielberg, George Lucas, Martin Scorsese e Francis Ford Coppola. Nessa fase ele filma entre outros: Kagemusha (A Sombra de um Samurai – 1980)   Ran ( Os Senhores da Guerra – 1985), para mim  um dos mais belos filmes que assisti. Não quero entrar em polêmicas, sei que todo mundo que gosta de cinema tem um Kurosawa predileto! Diga aí qual é o seu.
O livro foi publicado em 1982 e no Brasil em 1990, pela editora da Estação Liberdade, portanto é mais um daqueles que vocês terão que apelar para os sebos. Enquanto isso pode ir até uma locadora e conhecer os filmes dele, é uma ótima pedida para o próximo feriado.
Não há nada que diga mais a respeito de um criador do que sua própria obra.  Akira Kurosawa

SOBRE O AUTOR
Akira Kurosawa (1910-1998) – um dos maiores cineastas japoneses, entre suas obras-primas Sete Samurais, Rashomon e Kagemusha.




18 comentários:

VaneZa disse...

Já tô mandandoo link pro meu marido...ele vai adorara ler isso.

BeijoZzz

Fernando disse...

Eu acho Ran um filme fantástico. Gostei do post.

Rogério Pereira disse...

Vi três filmes dele: Ran (Os Senhores da Guerra) A Sombra de um Samurai e Dersu Uzala (A Águia das Estepes), julgo interessante a leitura da biografia. Alias acho oportuno que tenha escolhido uma biografia, género literário pouco apreciado mas onde encontramos por vezes dimensões maiores que a própria obra conhecida. Não sei que será o caso, pois não li. Falando de cinema japonês, não posso deixar de mencionar os "Contos da Lua Vaga", de Mizoguchi, um dos melhores filmes que que vi na vida...

Guará Matos disse...

Akira Kurosawa foi estupendo!
Magnífico!
Esplendoroso!

Outro cara tudo era o seu ator preferido, Toshiro Mifune (1920/1997). Filho de missionários japoneses, porém, nascido na china, Mifune estrelou grandes obras de Kurosawa e arrebentou nas interpretações, se consagrando no maior samurai das telas.

Publicação de Cultura pura, essa. Demais!
Bjs.

Bjs.

Ivan disse...

Conheci um pouco sobre Kurosawa na mostra internacional de cinema desse ano, realmente é um cara fora de série. Ah, sou fã do Tarantino! Abraço

Libriana Voadora disse...

Oiii! Passei duas semanas numa cidade do interior cuja internet é um carroção e não dava vontade nem de chegar no computador! Depois que voltei pra capital, fui tocando minhas coisinhas e correndo atrás do tempo perdido e acabei passando bem pouco tempo na internet, mas julgo que agora vou voltar a ativa on-line, hehehe! Por falar no Kurosawa, eu só vi dois filmes dele, Sonhos e um outro lá. Sonhos eu adorei!!! Mas o outro achei um abacaxi, então não sei bem o que pensar dele, hehehe! Mas tinha um grande número de pessoas na minha facul que adorava ele! E a biografia dele deve ser, com certeza, interessantíssima! Ainda mais por todas essas coisas que tu falaste!! =D bjss

Borboletas nos Olhos disse...

Kurosawa é um cineasta incrível. Mexe com minha imaginação e sensibilidade. E outro ponto fraco: biografias. Goste demais. Beijos carinhosos

Cintia Branco disse...

Jussara,

Não conheço a obra de Akira Kurosawa, que vergonha, mas está aí a dica, quem sabe não faço um festival Kurosawa neste feriadão aqui em casa.
Beijos

Glória Maria Vieira disse...

Eita que bacana, Jussara!Fica a recomendação total, né?!Porque eu preciso assistir aos filmes, ler os livros e ... é isso, né?! UASHUAHUAHUHAHSSHS

Beijo enorme!

Ronda disse...

Oi Jussara,
Engraçado como alguém como o Akira Kurosawa possa ser reconhecido muito mais reconhecido fora do Japão.
Já ouvi falar muito nele, mas confesso que não me lembro de ter assistido um filme. Vou fazer uma pesquisa...
Abraços!!

A. Marcos disse...

Vc gosta de Graphic Novels ou, em portugues, HQ para adultos? Tem muita coisa bacana...

"Estrada para a perdição", "Morte no Gelo" e o ganhador de Oscar "Persépolis" são exemplos de literatura pop de conteúdo que merecem atenção.

Quando tiver tempo e disposição pessoal pode passar os olhos em algumas poucas sugestões que darei. Acredito que possa gostar.

Bjs.

Misturação - Ana Karla disse...

Curioso,,,vivendo e conhecendo mais.
Bom dia Jussara!
Xeros

Luma Rosa disse...

Você citou cineastas maravilhosos e é difícil escolher apenas um, porque cada um tem a sua especialidade (de especial), apesar de Copolla merecer menções por suas reconquistas.
Gosto muito de biografias, anotada a dica! Beijus,

Adelaide disse...

Gentem eu assisti a filmes que nem sabia que eram dele, aho interessante quando você diz da vontade de rever os filmes, pois até hoje os filmes que revi, sempre ficam gravados com um novo contexto, algo que na primeira vez não observei...imagino que lendo o livro então...será mais interessante. Acho muito mais valiosas as histórias quando sabemos o que está implicito nas entrelinha...como o autor fez para chegar na mensagem que criou.
Grande abraço

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Jussara. Isso é verdade. Kurosawa aqui recebeu algumas homenagens tímidas por conta do centenário de seu nascimento.
Uma pena, foi um grande cineasta e figura humana.

a crítica aqui é de que seus filmes retratam o Japão que americano gosta. Tudo irreal demais, estereotipado...

eu adoro os filmes dele. o livro eu quero ler, não li ainda...

mais uma super dica!
bom dia!

Deusa disse...

Não assisti, ou li,mas porque estou juntando livros que comprei e ganhei.Porquê?,eu não consigo mais me concentrar infelizmente,pois estou sempre preocupada com tanta coisa por fazer.Por incrivel que pareça não consigo ler mais com o prazer que tinha.Tenho coleções de Ramses,Clepatra,Roma,entre outros.O que leio agora são histórias infantis.
Deusa vasinhos coloridos

Deusa disse...

Esqueci de responder...sim faço,mas acabo sempre guardando...senão,menininha brinca de boneca com eles.
Mostra então este presepio,deve ser maravilhoso,tenho a impressão que sendo de outra época deve ser com aquela simplicidade que torna a peça lindissima.
Deusa
vasinhos coloridos

Renata C., UMA ESPOSA EXPATRIADA disse...

Jussara! Sabes? Tive a sorte de namorar um rapaz (quando eu tinha vinte e tantos...) que era cinéfilo, e me apresentou muitos e muitos cineastas fora do Grupinho Americano sempre. Então cconheci Kurosawa e... amei... sempre ficarram na minha mentes cenas de alguns de seus filmes. Achei que já tinha até publicado no BLOG sobre esse incrível cara, fui olhar... e tinha ´´comido mosca´´... só tinha deixado dentre os MEUS FAVORITOS NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE. Seus leitores podem gostar de assistir a uns dos seus videos disponiveis, esse especificamente mostra ass ´´influencias´´ das quais vc citou ´´ os jovens cinesatas´´... imagine só!!! O linnk é esse aqui:
http://www.youtube.com/watch?v=G1STFM39vJ4
Mil bjs!