quarta-feira, 24 de novembro de 2010

FEBEAPÁ

 
DUPLA EXPOSIÇÃO, Renato Sérgio

Fim de ano... ano difícil, perdemos a Copa, os cintos apertaram, a eleição foi disputada, cada um teve perdas e ganhos... chegou a hora de fazer um balanço. Nesse balanço eu vi que nos faltou humor, faltou quem nos fizesse rir de nós mesmo. Foi assim que cheguei ao Sérgio Porto e no seu outro Stanislaw Ponte Preta, como eles são dois-em-um num ótimo pacote, a biografia se chama Dupla Exposição. Uma biografia que  começa com um auto-retrato escrito pelo próprio  biografado, quem era ele? Em suas próprias palavras: ”jornalista, radialista, televisista (o termo ainda não existe, mas a atividade dizem que sim), teatrólogo ora em recesso, humorista, publicista e bancário” o auto-retrato tem mais e está no livro.  Sérgio Porto (1923-1968) morreu com 45 anos, muito cedo, mas deixou uma obra imensa e divertida ,  e levou com ele o Stanislaw.
Esta biografia tem vários méritos, não só fala de Sérgio Porto, mas fala do jornalismo da década de 60, do começo da TV brasileira e do Rio de Janeiro ainda um centro irradiador de cultura, afinal a capital só tinha ido para Brasília há 8 anos,  é  quase uma continuação do livro 1958. Ele era um carioca de corpo e alma, boêmio e biriteiro, mas trabalhou 23 anos no Banco do Brasil e escrevia sem parar, sendo assim um bom malandro trabalhador, seu pseudônimo foi inspirado no personagem de Oswald de Andrade – Serafim Ponte Grande. Meninas ele era um homem lindo, as fotografias do livro não me deixam mentir e meninos  era ele quem elegia as Certinhas do Lalau, a lista de certinhas é imensa e tem também algumas delas no livro. Se é fofoca ou não, não sei dizer, mas...  dizem por aí que algumas certinhas  fizeram mais que tirar uma foto. Seja lá como for ele era um homem que gostava de e das  mulheres, provavelmente hoje seria considerado um machista chauvinista, morreu antes do termo ser cunhado.
Foi Sérgio Porto/Stanislaw Ponte Preta que criou o Festival de Besteira que Assola o País (FEBEAPÁ), Tia Zulmira, Primo Altamirando e outros personagens que marcaram época,  todos presentes  em suas crônicas e nos livros que escreveu. Que falta que nos faz seu humor corrosivo, sua ironia e sua aguda visão de quão ridículas certas coisas são.  No meu balanço do ano, dos últimos anos na verdade, sempre pensei que o Festival de Besteira que Assola o País continua  a todo vapor , mas já não há quem aponte o dedo , ria e diga “o rei está nu”.
Para os que não conhecem a obra do Sergio Porto está biografia é primorosa, pois contém vários textos dele, para os que conhecem vão sentir saudades, né Guará e Lufe?

“Difícil dizer o que incomoda mais, se a inteligência ostensiva ou a burrice extravasante.” Sérgio Porto

SOBRE O AUTOR

Renato Sérgio – jornalista com atuação marcante em vários veículos de imprensa e escritor, publicou Dupla Exposição em 1998 pela Ediouro.

12 comentários:

Borboletas nos Olhos disse...

Eu sempre gostei do Stanislaw e (como já disse) adoro ler biografias...e adoro ler você. Beijos

Ivan disse...

Poxa, um grande escritor! "As Cariocas" da globo é inspirado em uma obra dele... Deveria ser mais lembrado... abraço

Carla Farinazzi disse...

Adoro biografias!
Simplesmente adoro. Me lembro do "Poeta da Paixão", "Chatô", "A estrela solitária", "Anjo Pornográfico" e tantas outras...
Já anotei essa do Sérgio Porto.

Excelente dica, Jussara!

beijos

Carla

M. disse...

Mais um para conhecer...

Lufe disse...

O Primo Altamirando era um personagem genial principalmente pela sua falta completa de carater.
Eis um exemplo:

Primo Altamirando soube da existência de uma Associação das Mulheres Separadas.
Ligou para lá:
- Alô? É da Associação das Mulheres Separadas?
- É sim.
- Então me separa duas para sábado.

Deu saudade desse humor daquela época.
Tambem dessa época era o Amigo da Onça, né?
Quem sabe você fala dele algum dia.
O autor inicial era o Pericles, né?

bjo

Guará Matos disse...

Feríssima!
O criador do FEBEAPA era dos bons e deixou obras bem interessantes.

Bjs.

Anne disse...

Sempre tive um carinho especial por biografias... essa parece ser ótima!
Bjos Ju!

Liz Dantas disse...

Nossa... eu amo biografias,estou terminando "A fantástica história de Silvio Santos"muito interessanta também
Obrigada amiga,pela sua visita a meu blog,espero por lá mais vezes
Beijos

Lúcia Soares disse...

Eu ainda peguei os anos em que ele escrevia em revistas. Gostava muito do seu humor, da sua capacidade de falar seriamente de um jeito que parecia brincadeira.
Bj

Tathiana disse...

Interessante. Li alguns textos dele, realmente bons.
Qt à dúvida dele, acho que me incomoda mais a burrice extravasante! rs.
Bjs.

Cintia Branco disse...

Jussara,

Que delícia deve ser essa obra, eu quero!!! Quanto ao seu palpite lá no blog, antes fossem bolinhas de gude, kkk.
Coloquei mais uma dica, quem sabe ajuda.
Beijos

Deusa disse...

Amaria conseguir seguir qualquer livro que não fosse das princesas até o fim,mas os meus ficarão para quando Maitê aprender a ler....eu começo sempre um delicioso conto ou biografia,mas termino sempre com um lindo e rosinha livrinho de carochinhas na mão...rsrsrsrs.
Faça mesmo...e simples demais e fica tão lindo.De qualquer tamanho,ou em qualquer lugarzinho da casa.....
Bjs
Deusa
vasinhos coloridos