quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Sangue Sutil

DRÁCULA, Bram Stoker
Esse é um daqueles personagens que todo mundo conhece, fala sobre ele, dá palpite e etc., mas pouca gente leu o livro, por falta de oportunidade, por achar que já viu filme demais sobre ele ou por ter lido outras histórias de vampiro e por aí vai. Eu não sou propriamente uma adepta de livros de terror, acho até que li bem poucos na minha vida, gosto mais de mistérios possíveis (mesmo que alguns sejam sanguinários) .
Drácula é um primor de literatura, tem vários narradores pois os capítulos são partes dos diários dos personagens, cartas e até notícias de jornal, sempre um ponto de vista único, porque quem escreve não sabe o que acontece com os outros. Dessa forma nunca vemos (ou lemos) o Drácula em si, a gente vai descobrindo aos poucos quem é ele e como se comporta. Quando descobrimos sua história por inteiro nos causa piedade e não pânico, terror ou medo. Vlad Tepes (Drácula) é um líder romeno que luta contra os turcos defendendo a Igreja, sua amada pensando que ele havia morrido em batalha se atira em um rio e morre.  Vlad enlouquece quando descobre pois, além de tudo, ela está condenada aos infernos por cometer suicídio. Ele renega a Igreja, Deus e jura beber o sangue de todos que causaram sua dor, acaba condenado à vida eterna se alimentando de sangue. Um corretor de imóveis (Jonathan Harker) vai a Transilvânia vender uns terrenos para o Conde, esse acaba vendo uma foto da noiva dele (Mina) e descobre (ou cisma) que é sua amada reencarnada. O resto do romance é a procura de Vlad por sua amada. É um livro bem vitoriano, um retrato da Londres da época, com mocinhas em perigo e homens honrados e cavalheiros, incluindo o conde, mesmo sendo o vilão. Todos os elementos estão lá, para os vampiros que vieram depois dele: dois pequenos orifícios nos pescoços das mocinhas desavisadas, visitas noturnas de morcegos, a capacidade de desaparecer ou parecer outro ser, vampiras prisioneiras e guardiãs do palácio, caminhadas noturnas com muita cerração, tudo envolto numa carga erótica, afinal Vlad é bem sedutor em seu mistério.
Nesse livro é que aparece pela primeira vez o Dr. Van Helsing, esse personagem apesar de secundário no livro acabou por ganhar vida própria e é mais famoso que os personagens principais, depois do vilão. Drácula é uma das obras literárias mais adaptadas para o cinema, além de servir de inspiração para muitos outros filmes, histórias em quadrinhos e autores literários. A versão de Francis Ford Coppola é a das mais fiéis ao livro além de ser um filme belíssimo. Aqui é o caso: Leia o livro, veja o filme.

“Não queremos provas, nem pedimos a ninguém que acredite em nós!” Dr. Van Helsing

SOBRE O AUTOR
Abraham "Bram" Stoker ( 1847 -1912) - escritor irlandês,  formado em matemática, foi  jornalista, cronista  e  agente teatral. Publicou Drácula em 1897.

20 comentários:

Pandora disse...

Jamais, nunca no Brasil, pensei que sentiria vontade de ler Dracula, mas sua resenha mostrou um Dracula tão humano em suas paixões, torturas pessoais e vingança que fiquei com vontade de ler o livro!!!

Assim que puder e meu dinheiro der estarei trazendo mais este personagem para minha casa!!!

Beijos.

Palavras Vagabundas disse...

Pan, olha a intimidade! Fico tão feliz que você queira ler o livro,pois esse é daqueles livros de que devemos ler sem preconceito.
abs

Fernando disse...

Suas palavras me deixaram curioso, preciso ler esse livro. Falando em Van Helsing...

Lembrei daquele filme que mostrava o Van Helsing como um herói de ação. Eu não tenho nada contra em mostrar um personagem clássico com outra roupagem. Isso seria interessante, mas infelizmente o roteiro do filme era muito fraquinho.

LUFE disse...

Jussara,
Já li esse e mais um monte...rs
Minha filha adora qualquer literatura sobre vampiros, ela tem tudo.
Ela estuda Letras na UFMG e auxilia um professor cuja linha de pesquisa é sobre os monstros na literatura. Aí já viu, né? Ela se sente em casa...rsrs
Cada louco com a sua mania...

bjo

Alysson-Syn disse...

Obrigado pela visita Jussara!

Confesso que sou apaixonado por vampiros e por esse ar sedutor e melancólico que paira por estes mortos-vivos tão intrigantes. Mas que fique claro: a paixão se limita aos vampiros CLÁSSICOS, como Drácula, os das obras da inesquecível Anne Rice e até os de RPG (Vampiro: a máscara).

Li o livro e reforço sua indicação! É um típico livro onde o protagonista desperta sentimentos confusos e contraditórios, de ódio e pena, de condescendência e conflito.

Excelente post. E volto mais vezes

Abração!

Tathiana disse...

O filme eu vi... Mas o livro eu não li.
Bjs.

Um blog por acaso disse...

Parabéns pelo post. Olha, comprei 3 livros da ANNE RICE. As crônicas vampirecas em "Entrevista com o vampiro", "Lestat" e "A rainha dos condenados". Será a primeira vez que lerei algo do gênero. Espero q goste. Abraço

Guará Matos disse...

OI! O JORNAL AFOGANDO O GANSO/ http://afogandooganso.blogspot.com com intuito de se expandir se torna a partir de hoje um veículo multimídia e conta com você e seus amigo para que o crescimento seja verdadeiro.

Conheça as mudanças na página principal, onde apresento um “tutorial” com as novas opções e conheça o “Menu Suspenso” com os novos caminhos.

Aguardo-lhe,
Abraços.

Borboletas nos Olhos disse...

Depois que conheci, sempre visto quando há atualização. Aliás, visito quenado não tem, também, pra reler os posts. Não costumo comentar porque os posta são tão completos, bem escritos, que parece que não tenho nada a dizer a não ser aplaudir. Mas aí você não ia ficar sabendo né? Então agora você já sabe. Bjs

Anne disse...

Confesso que nunca li Drácula. E agora fiquei super hiper mega blaster curiosa!

Sua resenha me despertou uma enooorme curiosidade...

Aiii Jussara, Deus te ouça e que eu consiga a folga pra ir ver o Amarelo, rs
Beijosss

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

esse livro é DEMAIS! não tem filme que se iguale, é riquíssimo!
bacana vc divulgar, muita gente nem sabe que o livro existe, não é?
mais que recomendo, assino embaixo esse post.
bom dia!

Roberta M. disse...

Oi querida, eu sou fã desse história, acho intrigante e até mesmo sedutora, gostei muito do filme do Copolla!! Bom ter 56 e nao ter certeza de nada né Jussara, to adorando te conhecer mais um pouco!! Beijocas

Silenciosamente ouvindo... disse...

22 anos na TV Globo deve ter cada história...
O meu marido é que gosta muito de ler coisas
relacionadas com o Drácula. Eu não.
Desejo-lhe um bom fim de semana.
Bj./Irene

Ivan disse...

Poxa vida, nem sei como vim parar nesse blog... mas já guardei o endereço para voltar.
Abraço

Carla Farinazzi disse...

Olá,

Gostei do seu blog! Dicas ótimas. A propósito do post anterior, sobre o "Império à Deriva", leia também o ótimo 1808, do Laurentino Gomes. É um retrato perfeito da época, da vinda da família real para o Brasil. Excelente. Também me apaixonei pela História do Brasil. E ele lançou também, mais recentemente, 1822, que ainda não li.

Obrigada pela dica.

Beijos

Carla

Silenciosamente ouvindo... disse...

Olá amiga espero tenha passado um bom domingo.
Obrigada pela visita.Bj./Irene

A. Marcos disse...

Obrigado pela visita lá no "A Hora do Flush"

Macá disse...

Ju
Sabe o que acontece? Quando você posta sobre uma obra que a gente não se interessa (eu não gosto do tema Vampiros por exemplo), dá uma vontade louca de conhecer. Sério! A sua maneira de falar sobre ela, nos envolve. Bom isso não?
beijos

Palavras Vagabundas disse...

Maca, o seu comentário me deixa super alegre, o que eu queria alcançar com o blog era isso mesmo, fazer com que as pessoas pensassem em ler o livro comentado. Eu também não gosto de vampiro, mas depois de ler este livro, aí que não gosto mesmo, só presta o original!
É para ler sem preconceito.
bjs
Jussara

AC disse...

Cheguei aqui através da Pandora.
Gostei e... vou seguir com todo o gosto.

Bj