domingo, 3 de outubro de 2010

Política, murros e Cristo

DOM CAMILO E SEU PEQUENO MUNDO, Giovanni Guareschi


Este é um dos livros que eu tenho a sensação que só eu li, mas como diz meu irmão... eu leio até jornal velho cheirando a peixe. Dom Camilo é o padre de uma pequena aldeia italiana do pós-guerra que tem como prefeito o comunista Peppone e um monte de aldeões perplexos no meio dos dois. Eles brigam o tempo todo, brigas feias e Cristo se torna um mediador com tendências bem terrenas. A coisa corre assim, no capítulo intitulado BATIZADO, cada capítulo tem um nome e conta um episódio com começo, meio e fim. A mulher de Peppone leva o filho para ser batizado com o nome de Lenine (Lênin em italiano) Dom Camilo se recusa a fazer a cerimônia e leva uma baita bronca de Cristo. Sim, Cristo fala e muito. Peppone furioso vai a igreja, eles trancam a porta e sozinhos se esmurram muito, por fim Dom Camilo batiza o menino com o nome de Antonio Camilo Lenine e ainda tem de ouvir de Cristo que benfeito que ele apanhou! Vocês podem não acreditar, mas ao longo do livro percebemos que eles se gostam, se respeitam e não estão a fim de mudar o que cada um pensa do mundo.
Nesses tempos de eleição, com debates mornos e onde o judiciário trabalhou mais que qualquer partido, eu sempre pensava, cadê o respeito? Cadê a convicção de cada candidato? Por que não partem logo para a porradaria e chegam a um consenso? Nós os Antônios Camilos Lenines merecemos respeito, merecemos que os dignatários em vez de se acusarem ou entrarem na mesma sinecura, lembrem-se que nós e que vamos carregar o nome por aí. Neste caso, pelos próximos quatro anos e no senado pelos próximo oito anos. Onde estão os Dom Camilos e os Peppones? Sinceros, respeitosos, honestos e que não jogam para a plateia.
Dom Camilo e seu pequeno mundo nos oferece uma refrescante e bem humorada perspectiva da política, religião, amizade e respeito em um tempo em que estes campos parecem irreconciliáveis.
Aqui, umas palavras do autor: ”padres ofendidos com Dom Camilo autorizo me rachar a cabeça com um castiçal, comunistas ofendidos podem meter o cacete nas minhas costas. Mas aos ofendidos com as falas de Cristo não autorizo nada, pois quem fala nas minhas histórias é o meu Cristo: isto é, a voz da minha consciência.”
Não é o máximo! Deixei vocês curiosos? Este é o livro para se ler nesse pós-eleição, tenha seu candidato ganhado ou perdido, pois são risadas garantidas. Fiz uma pesquisa e descobri que a última edição no país foi lá nos anos 60, portanto só em sebo, é baratinho (entre R$ 4,00 e R$ 10,00), no Estante Virtual tem.
“Rir é o melhor remédio” – Anônimo

SOBRE O AUTOR

Giovanni Guareschi (1908-1968) - escritor, humorista, jornalista e novelista italiano. Publicou Dom Camilo e seu pequeno mundo em 1948.




15 comentários:

Pandora disse...

Deu vontade, curiosidade e tudo o mais de ler... e sim, ri é o melhor remédio!!!!

Mariana Dias disse...

Nossa, que bacana! O mundinho pequeno, né? Como Itanhaense de coração que sou, às vezes acho que tudo converge pra lá...hahaha Dizem que quem bebe a água da água de Itanhaém nunca mais esquece...apesar de muita gente considerar isso uma maldição, eu gosto! haha escrevi uma vez sobre lá, um post chamado passeio de bicicleta...leia e veja se se identifica! haha beijão

Silenciosamente ouvindo... disse...

Amiga, hoje aqui está muito vento, e chuva.
Espero esteja a passar um bom domingo.
Realmente o mundo é mtº. pequeno.
Beijinhos/Irene

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

nossa, então o livro há anos não é reeditado? que pena, me pareceu muito bom!

há um filme antigo com esse nome, que vi há mtos anos atrás. então deve ser baseado neste livro, não é?
bom domingo.

Macá disse...

Ju
Acho que realmente foi só você quem leu, tanto que ele nunca mais foi reeditado. Perguntei até para o meu marido que é um consumidor de livros como você e ele também não leu.
Mas agora, com essa sua indicação, pode ser né? As coisas ditas nesse mundo virtual, ganham forças.
Guarde bem para quando eu for aí poder ler, tá?
um beijo e bom final de domingo.

LUFE disse...

Jussara,

No comecinho da TV no Brasil tinha um teleteatro que encenava Dom Camilo e Peppone.
Ao ler o seu post as imagens me vieram a mente.
É, existia isso na televisão!
Hoje existe uma carencia de valores, de ética, de senso crítico.
Os candidatos não precisam se expor, as cartas já estão na mesa.
Os currais é que decidem....
Eles não estão preocupados com os valores que são passados e difundidos por estas obras.

bjo

Cintia Branco disse...

Jussara,


Agora fiquei curiosa. A edição é em italiano? quero uma que seja, rs.
Beijos

LUFE disse...

Jussara,

Voltei pois me lembrei que foi em 68 na antiga TV Tupi. Otelo Zeloni era o padre Dom Camilo e o prefeito comunista Peppone era o Elias Gleizer

bjo

Rogério Pereira disse...

Como eu gostaria de o ler. Tenho alguns meses para procurar nas nossas livrarias. Cá em Portugal o sebo está muito caro. Possívelmente vou importar do Estante Virtual...

(obrigado pelo seu comentário e correspondente valor acrescentado ao assunto por mim postado)

Gustavo disse...

Obrigado pela visita.

Já vi que tenho material de sobra para ler aqui no teu blog.

Abs.

Tata disse...

Cara Jussara
dei uma passada rasteira aqui no seu blog e vi que este promete ser saboreado como vinho. Não vejo a hora de chegar a noite, no merecido descanso da labuta diária e descobrir o porquê as palavras são vagabundas
Tarcila

Dama de Cinzas disse...

Oi Jussara! Sobre a vida de Janis Joplin eu só conheço um filme que foi inspirado nela. Que é A Rosa, com Bette Midler, um filme que gosto muito. Fora esse não conheço outro.

Obrigada pela visita!

Beijocas

Macá disse...

Ju
Eu aqui de novo. Hoje ganhei um presente que tenho que dividir com mais 5 pessoas, e uma delas é você.
Tem que pegar lá no meu blog, tá?
beijos

Rosamaria disse...

Estive aqui antes para agradecer a visita e não consegui comentar, o que faço agora.
Vou voltar com calma, tuas sugestões são ótimas.
Bjim.

Daniel Brazil disse...

Graaaaande lembrança!