quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Família

Cem Anos de Solidão, Gabriel García Marquez


Esse é um dos livros prediletos da família, fica difícil  falar sobre ele quando todo mundo gosta. É a história da família Buendía, com sua loucura, com suas histórias que nunca morrem, com gerações com o mesmo nome e a mesma sina. Para mim é um livro sobre uma Família, que briga entre si e com o resto do mundo, pode ser uma guerra de mil dias, pode ser por 100 emails, mas continuam tão separados em suas opiniões mas tão unidos ao partilharem suas divergências com os seus. Que os homens são estranhos entre si, mas tão iguais, sejam fazendo peixinhos de ouro, deitados em redes na varanda apreciando o clã ou engenheiros que gostam de música e jornalistas ou editores que gostam de cozinhar, ou deitados em seus sofás vendo futebol e apreciando o mundo e sua prole, a prole da sua prole e a prole da prole da sua prole. Uma família que vive na sua pequena Macondo, mas quem não vive em Macondo? Eu mesma vivo em uma, quem conhece a amiga de infância da sua mãe? Aquela que sabe mais da sua família que você mesmo? Onde o mundo e as novidades passam pela sua porta, porta que está sempre aberta mas que não permite nenhum acesso na sua essência.
Os Buendía, uma família e que família!  Viveram um século de sua história, da história da Colômbia, da história da América Latina. Quem não vive em Macondo?
Quem tem uma avó, filha de um médico voluntário na Guerra do Paraguai, que após se formar em 1918, foi morar sozinha longe da família e trabalhar? Uma respeitável professora e uma insuspeita avó feminista.
Quem acha o nome do avô entre os visitantes da exposição de 1917 de Anita Malfatti? Um juiz conservador na velhice, mas que jamais deixou de pintar, mesmo que tímido.
Todos fantasmas que não se foram e convivem pacificamente com tantos outros fantasmas e com os vivos. É visível a marca de ambos e todos os outros no que fomos e no que somos como família.
Segundo a tradição esse livro inaugurou o “realismo mágico”, eu sempre me perguntei que ”mágico”? Eu vivo esse mágico, com casas em que se fala coisas do tipo “no chalé novo”, casa onde nasceu meu pai há mais de 80 anos e ele continua novo, onde o quarto do avô se refere ao quarto do meu tataravô, um longínquo antepassado para minhas filhas e para minha neta , onde o cemitério está na porta de casa e você visita os mortos cotidianamente. Eu sei que estamos vivendo na nossa Macondo particular, onde uns partem, mas ficam perto, mas também estamos vivendo no Brasil e seus momentos históricos para contarmos para nossas futuras gerações. Mesmo quando não sabemos que ele é histórico. Será histórico para nós que tentamos guardar nossa história. Esse post é dedicado a minha irmã Mônica, sim eu tenho muitos irmão, primos e todo mundo que os acompanha. Tai o seu pedido Mônica espero que goste.
Eu quero aquele que narra a incrível e triste história dos Buendía...."...a estipe dos solitários para a qual não será dada uma segunda oportunidade sobre a terra”.
Você bem sabe qual é.
bjs
Monica
SOBRE O AUTOR
Gabriel García Marquez (1927 -  ) - colombiano, escritor, jornalista e editor. Recebeu o Nobel de Literatura de 1982 com Cem Anos de Solidão, publicado em 1967.



7 comentários:

Monica disse...

Você negou a orelha do livro com sua prosa e está dando uma segunda chance a família dos solitários unidos. Adorei. Beijos

Cintia Branco disse...

Monica,

vim aqui agradecer a visita e dou de cara com uma paixão antiga. Eu e Gabriel temos uma história de amor antiga, que começou quando li Crônica de uma morte anunciada, que adoro de paixão, depois dessa obra não nos largamos mais.
Adorei seu texto, parabéns.
Beijos

Murillo disse...

Gente, depois que meu professor falou de Gabriel Garcia Marques na sala, ele vem me perseguindo por todo o canto. Preciso urgente ler alguma coisa dele ou sinto que algo de terrível vai acontecer comigo. hahahaa
Vou aproveitar essa sua indicação!

VaneZa disse...

Do Gabriel eu só li o Doze Contos Peregrinos. Achei alguns dos contos meio macabros e meu marido disse que então eu não iria gostar do Cema Anos Solidão. Por isso, nunca me interessei em ler. Mas agora com a sua descrição... tô começando a vê-lo com bons olhos.

BeijoZzz

Palavras Vagabundas disse...

Murilo, Cem Anos de Solidão é imperdível, leia e depois comente e só mandar um email.
Vaneza, você vai adorar o livro, pois escreve muito bem e já tem o "mágico" dentro de si.
abs
Jussara

LUFE disse...

Jussara,

Você ja leu o Pantaleão e as visitadoras de Mario Vargas Llosa?
Acho que vai gostar...

bjo

Mariana Dias disse...

Eu continuo achando tudo muito mágico nesse livro, mesmo que a gente possa achar essas semelhanças! haha É uma doideira só, e você fica presa a ela! haha Eu li o livro do Llosa que o LUFE indicou, e é massa mesmo! Outro estilo fora do comum, muito legal!